Na segunda-feira (28), Kristen Stewart esteve presente no HCA Film Awards, onde estava concorrendo na categoria Melhor Atriz por sua performance em Spencer e levou o prêmio para casa! Confira o vídeo legendado abaixo:

Kristen Stewart recebeu o prêmio American Riviera do Santa Barbara International Film Festival na última madrugada de sábado. Charlize Theron, colega de elenco de Kristen em Branca de Neve e o Caçador, esteve presente para homenageá-la antes da entrega do prêmio. Kristen também participou de um bate-papo sobre sua carreira no festival. Confira fotos e vídeos, que serão legendados em breve:

EVENTOS > EVENTOS E PREMIAÇÕES > EVENTOS E PREMIAÇÕES EM 2022 > (04/03) SANTA BARBARA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL – AMERICAN RIVIERA AWARD

EVENTOS > EVENTOS E PREMIAÇÕES > EVENTOS E PREMIAÇÕES EM 2022 > (04/03) SANTA BARBARA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL – AMERICAN RIVIERA AWARD [ENTREVISTA]

EVENTOS > EVENTOS E PREMIAÇÕES > EVENTOS E PREMIAÇÕES EM 2022 > (04/03) SANTA BARBARA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL – AMERICAN RIVIERA AWARD [DENTRO]

EVENTOS > EVENTOS E PREMIAÇÕES > EVENTOS E PREMIAÇÕES EM 2022 > (04/03) SANTA BARBARA INTERNATIONAL FILM FESTIVAL – AMERICAN RIVIERA AWARD [BASTIDORES]

TAPETE VERMELHO:

INTRODUÇÃO:

INFÂNCIA E O QUARTO DO PÂNICO:

ZATHURA E NA NATUREZA SELVAGEM:

FÉRIAS FRUSTRADAS DE VERÃO E CREPÚSCULO:

CANNES, THE RUNAWAYS E ACIMA DAS NUVENS:

PARA SEMPRE ALICE E PERSONAL SHOPPER:

ALGUÉM AVISA? E SPENCER:

Kristen Stewart marcou presença no HCA Awards na última segunda-feira (28) onde estava indicada na categoria Melhor Atriz por seu trabalho em Spencer. Depois de uma longa cerimônia, Kristen venceu a categoria! Confira fotos e vídeo do momento:

EVENTOS > EVENTOS E PREMIAÇÕES > EVENTOS E PREMIAÇÕES EM 2022 > (28/02) HCA FILM AWARDS

EVENTOS > EVENTOS E PREMIAÇÕES > EVENTOS E PREMIAÇÕES EM 2022 > (28/02) HCA FILM AWARDS [BASTIDORES]

PHOTOSHOOTS > PHOTOSHOOTS 2022 > HCA PORTRAITS

Em entrevista para o Los Angeles Times, Kristen Stewart compartilhou o seu guia de um perfeito em LA, falou sobre sua indicação ao Oscar e sobre as preparações para seu casamento. Confira as fotos e leia a entrevista abaixo:

PHOTOSHOOTS > PHOTOSHOOTS 2022 > LOS ANGELES TIMES

Kristen Stewart está mexendo no celular, procurando uma música que a fez chorar. É Dia dos Namorados. O sol está se pondo no Griffith Park e estamos no sofá da casa de um amigo de um amigo. Isso seria em Los Feliz, o tal amigo é um DJ e ele tem um sofá com alto-falantes instalados por dentro das almofadas. Mas não estamos naquele sofá, nem compartilhando a maconha que está crescendo no jardim de trás, porque, novamente, é dia dos namorados e, assim que terminarmos, Stewart quer voltar para a noiva, a roteirista Dylan Meyer. Elas vão ficar em casa.

“Estamos interagindo com muitas pessoas no momento, então sem outros humanos”, Stewart diz. Ela escolhe a música “When I Was a Boy”, uma linda balada da Electric Light Orchestra que Stewart manteve em seu bolso de trás caso precisasse mergulhar em um poço profundo de tristeza enquanto interpretava a princesa Diana em Spencer e precisasse de ajuda para chegar até lá. O que aconteceu, é claro, quando o cineasta Pablo Larraín pediu para que ela fizesse essa grande cena emocionante em que Diana volta para sua casa de infância, começa a chorar e Stewart estava muito exausta para pensar.

“Lembra de quando Pablo te disse que não há nada melhor do que um ator cansado?” Stewart pergunta, lembrando de uma conversa que tivemos com Larraín anteriormente. Ela não está completamente convencida disso. Mas ela manteve essa música em um lugar seguro, como onde você guardaria um extintor de incêndio, e então no dia, ela quebrou o vidro, tocou a balada e ficou devidamente destruída.

“Meu deus, é muito boa”, Stewart diz. “Você deveria tocar no carro quando for embora… a não ser que queira ouvir agora.” Consideramos, mas nos distraímos com outra música de Spencer, “Perfect Day” de Lou Reed. Estávamos falando sobre Los Angeles e pergunto o que ela acha que seria um dia perfeito para alguém visitando pela primeira vez. Sem surpresas, dado seu amor pela cidade (ela tem uma tatuagem escrita L.A. no pulso), Stewart tem uma resposta tão sensacional em suas especificidades que merece estar no site de turismo de Los Angeles.

“Ok, nós acordaríamos cedo e iríamos até o observatório [Griffith]”, Stewart começa. “É deslumbrante. Você olha para o lugar em que James Dean gravou aquela cena [em Juventude Transviada]. Olha aquele busto estranho. Então, em vez de voltarmos pelo mesmo caminho que fomos, porque odeio refazer meus passos, encontraríamos a escada secreta que te leva para uma vizinhança diferente com todas essas casas legais.

“Então, em Riverside Drive, encontraríamos o food truck e comeríamos no Ricky’s Fish Tacos. É o melhor taco, absolutamente perfeito, uma das melhores coisas que já comi na minha vida inteira. São clássicos Baja, mas eles também fazem de camarão. Compre um de cada. Não esqueça dos molhos, porque eles não colocam, o que é bom porque você consegue controlar.” (Stewart seria a primeira a te contar que ela é controladora.)

“Depois, acho que teríamos um tempo sozinhos e aproveitaríamos o ar livre”, Stewart continua. “Talvez uma caminhada por Los Feliz, colheríamos algumas nêsperas se estiver na temporada e depois assistiríamos um filme no Vista ou no Los Feliz 3.” Ela ri. “Isso tudo a cinco minutos de distância da minha casa.” O que faz sentido, ela adiciona, já que viveu a maior parte de sua vida adulta no Eastside. (“Se fica abaixo de 23°C, começo a congelar”, Stewart diz.)

Há infinitas variações desse dia perfeito que Stewart recomendaria. Pegue a Topanga Canyon até a PCH, siga em direção ao norte e pare em qualquer praia que não esteja muito lotada. “Vá para Venice, caralho”, ela se entusiasma. “Vá andar de patins. Leve um sanduíche. Observe as pessoas.” Vá até o In-N-Out e peça um hambúrguer ou um queijo quente. Coma um taco no Yuca’s em Los Feliz.

“Eu comeria tacos o dia inteiro”, Stewart diz quando aponto uma certa similaridade em suas escolhas. “Não comeria em outro lugar que não fosse uma barraca ou um food truck. Tipo, eu esperaria ficar muito tarde, te levaria até o Valley, andaria de skate por um tempo até ficar com muita fome, depois encontraria um food truck de tacos que fique aberto a noite toda. Porque tacos têm sabor diferente nessa hora… mesmo quando você não está bêbado.”

Stewart, de 31 anos, aproveitou alguns dias até tarde que, se não foram perfeitos, chegaram bem perto. Ela foi indicada ao seu primeiro Oscar, por Spencer, o que foi uma surpresa para ela, embora sua interpretação inflexível de Diana tenha sido considerada um dos melhores momentos de sua carreira distinta. O quanto foi uma surpresa? Stewart não colocou o despertador na manhã das indicações, dizendo para Meyer: “Cara. Apenas fazer o filme foi o bastante para mim.” Então, ela acordou às 7 da manhã, com a luz entrando no quarto, olhou para o celular, viu dezenas de mensagens de textos e emojis de balões, virou para Meyer e disse: “Minha nossa, cara, eu fui indicada.”

“Foi um momento tão surreal”, Stewart diz, rindo da lembrança. “Vou ser completamente honesta e dizer que foi tão legal. Não conseguia acreditar.”

A verdadeira pergunta – e não vou pedir para ela escolher – é se ela ficou mais animada com a indicação do Oscar ou com a tacada perfeita que conseguiu fazer no final de 2020 no Roosevel Golf Course no Griffith Park. Stewart ficou obcecada com golfe dois anos atrás, redescobrindo o esporte que praticava com o pai quando batiam bolas no Van Nuys Golf Course. O catalisador foi achar um grupo de amigas, “meninas golfistas” como gosta de chamá-las, que eram da mesma altura dela e tinham o mesmo nível de experiência e entusiasmo.

“Estávamos apenas tentando superar umas as outras em vez de apenas jogarmos mal”, Stewart diz, notando que o esporte é desmoralizante o suficiente sem jogar com pessoas acima do seu nível. E, ela adiciona, “andar pelo Roosevelt com seus amigos” se qualifica como outra experiência clássica de Los Angeles.

“Nós temos um relacionamento com esses pequenos veados e coiotes”, Stewart diz. Ela me passa o celular, me mostrando uma foto que ela tirou momentos depois da tacada perfeita. Ela está deitada na grama do nono buraco do Rooselvet, parecendo delirante, como se tivesse sido atingida por um raio. Para constar: Stewart usou um taco de ferro sete porque estava tarde e suas mãos estavam congelando.

“Eu não estava me sentindo forte”, ela diz, se certificando que eu note que por isso ela não estava usando um taco de ferro nove em um buraco tão curto. E, como já falamos antes, ela fica com frio facilmente.

Stewart também é propensa a momentos de autoconsciência. Ela nunca foi de seguir regras, mas quando era mais nova, tinha medo de se meter em problemas. Ela lembra de crescer em Woodland Hills (“Tenho orgulho de ser uma garota do Valley”), andar de skate até uma pequena colina com vista para a Ventura Boulevard, se esgueirar pelo quintal de outra pessoa para poder chegar na ladeira e olhar para o mundo.

“Era a minha coisa favorita porque aquela colina ficava verde na primavera por, tipo, duas semanas antes do verão do Valley deixar marrom”, Stewart diz. “Era a pior coisa mais legal que eu poderia fazer, porque eu tinha que invadir um quintal para chegar até lá. Mas nunca fui pega. Não tinha problemas em ser um pouquinho rebelde, mas a parte de ser pega sempre me preocupava.”

Stewart diz que está mais aberta a ser uma “idiota constrangedora” agora, oferecendo como exemplo como superou seu medo de dançar em público depois de filmar as cenas de dança para Spencer. Mesmo assim, quando estamos falando sobre o quanto ela gosta de dirigir por Los Angeles ouvindo música no carro – ela cresceu ouvindo estações de rádio locais antigas como K-EARTH 101 e continua uma ouvinte dedicada, mesmo que esteja “completamente abalada” que a ideia da estação sobre “antigas” foi de Motown para Modern English – ela se recusa a cantar se outra pessoa estiver no carro. E nem fale sobre karaokê.

“Mas se alguém me pedisse para fazer um musical, eu diria: “Foda-se, sim’”, diz Stewart. “Porque iriam me ensinar e eu acabaria tendo uma experiência completamente fora da minha zona de conforto, uma que iria me mudar. Isso é atraente demais.”

O que me faz pensar sobre o casamento dela – ou, de forma mais específica, a festa de casamento. Ela e Meyer noivaram no ano passado e Stewart quer se casar antes tarde do que nunca. A cerimônia em si não significa muito para ela. É mais sobre a festa depois, a reunião de seus amigos e parentes, um grande grupo de pessoas que nunca ficariam juntos no mesmo lugar se fosse de outra forma.

“Eu acho que quero isso”, Stewart diz, dizendo cada palavra nessa frase com cuidado. “Mas quando realmente penso, fico tipo: “Eu quero isso?’”

“Você teria que dançar em público”, digo. “Não tem como evitar.”

“Definitivamente… teríamos que dançar na festa”, Stewart diz. “Teria que caçoar um pouco. Pensaríamos, tipo: “É absurdo que estamos fazendo isso.” Houve uma época na minha vida em que eu dizia: “Não, nunca vou me casar. Me casar, tipo, colocar um vestido e caminhar até o altar. E, por acaso, não vou fazer isso. Não é esse tipo de casamento que vou ter. O fato de que eu já disse: “Hey, vamos nos casar” e termos anéis e tal… já está feito.”

Stewart se aproxima. Está escuro lá fora há um tempo e está na hora de voltar para casa para nossos amores. Mas ela ainda está organizando os pensamentos sobre o casamento, pensando se está sendo muito impulsiva.

“Acontece que, eu sempre acabo com a graça”, Stewart diz. “Tenho essas grandes ideias, tipo quando compro um presente lindo para alguém, fico orgulhosa e acho que vão amar. Mas em vez de embrulhar, colocar o lado e entregar no momento certo, digo: “Minha nossa, comprei esse negócio e sei que ainda falta uma semana para o seu aniversário, mas foda-se, toma porque eu amei e eu te amo.” Se eu embrulhasse e entregasse no dia certo, o impacto seria maior.

Então, provavelmente vou fazer isso no meu casamento também.” Ela dá uma gargalhada com o pensamento. “Provavelmente vou olhar para trás e ter que casar novamente… o que não surpreenderia absolutamente ninguém que me conhece.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

O Film Independent anunciou nesta quinta-feira (17) que Kristen Stewart servirá como presidente honorária da edição de 2022 do Spirit Awards. Leia o anúncio abaixo:

Kristen Stewart servirá como presidente honorária no Spirit Awards de 2022, anunciou o Film Indepedent na quinta-feira.

A atriz foi recentemente indicada ao Oscar por sua performance em Spencer. Sua interpretação da princesa Diana rendeu mais de 22 prêmios críticos.

“O cinema independente tem sido um aspecto formativo e vital na minha vida desde criança. Como parte da indústria e do público, é claro para mim como o apoio que ele oferece aos artistas é essencial. Não poderia estar mais orgulhosa de servir como presidente honorária nesse ano e ajudar a celebrar todos os indicados!” diz Stewart.

Josh Welsh, presidente do Film Indepedent, adiciona: “Estamos muito animados em ter Kristen Stewart como nossa presidente honorária nesse ano. Verdadeiramente ousada, ela incorpora em todas as suas escolhas a coragem e originalidade que é o coração do Spirit Awards.”

Presidentes honorários passados incluem Shaka King, Lena Waithe, Ava DuVernay, Jessica Chastain, Ang Lee, David Oyelowo, Jodie Foster, Javier Bardem, Kerry Washington, Tom Cruise, Samuel L. Jackson, Nicole Kidman e Julianne Moore, entre outros.

O Spirit Awards acontece no dia 6 de março.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

A edição anual da revista Vanity Fair homenageando Hollywood foi revelada na manhã de hoje (17) e Kristen Stewart é uma das capas por sua performance indicada ao Oscar em Spencer. Veja as fotos, assista aos vídeos e leia a entrevista abaixo:

PHOTOSHOOTS > PHOTOSHOOTS 2022 > VANITY FAIR [HOLLYWOOD ISSUE]

Kristen Stewart não vai fingir costume. “Todo mundo quer ganhar um Oscar, sabe?”, ela diz. Ela está olhando para mim através das lentes rosadas de um óculos, brilhando no sol da Califórnia. Seu rosto é definido e delicado, como um diamante lapidado em marquise, emoldurado por suas mechas loiras quase pretas na raiz. Sua cadela, Cole, late no fundo do Zoom, relaxando em algum lugar do espaçoso Airbnb em Palm Springs onde Stewart está de férias. Ela está no meio de uma campanha por prêmios para Spencer, a interpretação assombrosa de Pablo Larraín sobre três dias ansiosos na vida da princesa Diana. O papel rendeu para a atriz – cuja carreira começou aos 9 anos e explodiu aos 18 – um novo nível de aclamação crítica.

“Estou realmente emocionada”, ela diz, sorrindo e tirando o óculos. Na verdade, é menos sobre uma estatueta em particular e mais sobre um zeitgeist representando um trabalho que ela está extremamente orgulhosa. Ela está feliz em ser parte da conversa e não esperava – o que quer dizer que, depois de estrelar a franquia Crepúsculo, ela usou sua influência para escolher filmes surpreendentes como Acima das Nuvens, um drama de Olivier Assayas que rendeu um César para Stewart.

Durante anos, o apelo de Stewart estava em sua frieza, na coisa angustiante e de fala enrolada que ela projetava em Crepúsculo e refinou com o tempo. Sempre houve uma argumentação sobre estar entre as melhores atrizes da geração millennial, e esse sentimento está se espalhando. No passado, ela tentava aprender as falas o mais próximo possível da hora de gravar, permitindo que as palavras ficassem vivas por mais tempo. A escola de atuação de Ram Dass: esteja aqui agora, ou em lugar nenhum. Mas Stewart precisou abster-se disso tudo para interpretar Diana, o que precisou de meses de pesquisa e treinamento para o sotaque. Larraín tinha uma fé inabalável em sua estrela americana – “Ele sempre dizia: “Se você quiser, esse filme pode ser tão bom quanto Uma Mulher Sob Influência!’” – e Stewart caiu dentro, canalizando a solidão de Diana. “Uma das coisas mais notáveis era que ela não tinha amigos”, ela diz, entristecida. “Me pergunto constantemente: “Onde estavam seus amigões?’”

Stewart mergulhou o máximo que pôde em cada aspecto da dor da princesa, incluindo sua luta contra a bulimia. Spencer retrata seu distúrbio de forma franca, mostrando a princesa vomitando violentamente em um banheiro. “Eu queria ter certeza de que isso não seria maquiado”, diz Stewart. Ela se preparou com antecedência e, na cena, tentou realmente vomitar. (“Eu faço qualquer coisa!”) Larraín, que estava operando a câmera, chegou bem perto de seu rosto angustiado, capturando o ato, mas Stewart teve dificuldades. “Eu não consegui vomitar nesse filme, mesmo quando eu realmente deveria”, ela diz. “Me senti uma merda e não conseguia vomitar, e eu sei que era porque meu corpo achava que… a ideia disso era tão distante.”

Apesar de sua pesquisa obsessiva, Stewart não se tornou expert na realeza contemporânea e só assistiu pedaços da entrevista explosiva do príncipe Harry e Meghan Markle com Oprah Winfrey. “Era como se fosse quente demais para tocar em termos de o quanto era pessoal para mim naquela época”, ela diz. Pergunto se é estranho pensar sobre Harry e Meghan morando na Califórnia. Por mais improvável que pareça, Stewart não sabia sobre a mudança. “Que engraçado. Me pergunto onde”, ela reflete. Depois, ela para. “Não sou melhor do que ninguém! É claro que quero saber.” Santa Barbara, conto. Ela acena de acordo. “Faz sentido. Lá é muito legal.”

Stewart mora em Los Angeles e, em novembro, revelou que está noiva da namorada de mais de dois anos, a roteirista Dylan Meyer. “Eu amo estar noiva”, Stewart diz com um sorriso. “É diferente… Me sinto tão feliz e sortuda.” A dupla está trabalhando junta em uma série de TV, a qual Stewart disse que irá estrelar. De primeira, ela estava com um pouco de medo de trabalhar com Meyer, preocupada que pudesse dar errado: “Você não quer que isso afete o lindo relacionamento que possui.” Elas terminaram de escrever o primeiro episódio em uma semana e meia. “É como se tivéssemos descoberto um supercérebro”, diz Stewart. “Ela é, de verdade, uma roteirista brilhante pra caralho.”

Enquanto pensa nos futuros projetos, ela ainda está firmemente no presente, reunindo-se alegremente com Larraín na caminhada de prêmios por Spencer. A confiança do diretor nela continua inabalável. “Ele me ama e ama tanto o filme, a pureza disso é a coisa mais doce e legal do mundo”, ela diz. “Nos divertimos demais. Não há como negar.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil