Clea DuVall, diretora de Happiest Season, conversou com a Variety na última segunda feira pós estreia do filme para falar sobre o sucesso do longa no streaming e sobre os debates envolvendo a dinâmica entre o casal principal, interpretado por Kristen Stewart e Mackenzie Davis, que tomaram conta das redes sociais no último fim de semana. Happiest Season foi a maior estreia do Hulu e o filme mais comentado nas redes sociais durante o feriado de Ação de Graças. Confira a entrevista:

Happiest Season, da Tri-Star Pictures da Sony e eOne, sempre esteve pronto para fazer história como a primeira comédia romântica natalina sobre um casal homossexual de um grande estúdio de Hollywood. Então, a pandemia chegou, deixando a Sony sem escolha a não ser vender o filme para o Hulu. Isso parece ter saído maravilhosamente bem: A Variety ficou sabendo com exclusividade do Hulu que Happiest Season quebrou os recordes de estreia do serviço de streaming. Durante o longo fim de semana de Ação de Graças, o filme teve melhores visualizações do que qualquer produção original do serviço no seu fim de semana de estreia e atraiu mais novos assinantes do que qualquer outro título anterior.

Dirigido por Clea DuVall e co-escrito por ela e Mary Hollando, que também estrela no filme, Happiest Season é uma história de revelação focada em Abby (Kristen Stewart) e Harper (Mackenzie Davis). Quando Harper convida Abby para ir para casa de seus pais no Natal, de alguma forma esquecendo que não se assumiu para a família, ela pede para que Abby finja ser hétero até o fim das festas – onde ela jura que vai se assumir para seus pais, Ted e Tipper (Victor Garber e Mary Steenburgen). Nos eventos de Natal cheios de pressão da família, o caos acontece, e Harper machuca bastante os sentimentos de Abby, ameaçando o relacionamento.

É claro, sendo o primeiro de seu gênero, e servindo o público LGBTQ pouco representado, significa que Happiest Season inspirou várias opiniões profundamente sentimentais, que foram manifestadas tanto em artigos quanto em redes sociais – algumas foram amorosas, apesar de desejarem que Abby tivesse escolhido um caminho diferente, e outras foram completamente como o Grinch. Mas a não ser que você more embaixo de uma pedra (nesse caso, há espaço para mais alguém?), seus feeds nas redes sociais foram preenchidos por pensamentos – ou melhor, pontos fortemente discutidos – sobre Happiest Season. Naturalmente, de acordo com o Hulu, foi o filme original da empresa mais comentado no Twitter, e o filme mais tweetado em um fim de semana de feriado, ficando nos trending topics três vezes.

”Obviamente, nós queríamos uma estreia no cinema para esse filme, e a Sony era uma ótima parceira,” DuVall contou para a Variety na noite de segunda. ”Mas a Hulu pegou a bola e fez um ótimo trabalho, e foram muito apaixonados. Me alegra muito que muitas pessoas queriam essa história no mundo.”

DuVall – uma atriz prolífica que virou escritora e diretora – também falou sobre o amor ardentes da internet pela Riley de Aubrey Plaza, tendo compaixão pela jornada de Harper, e a possibilidade de uma sequência. (ALERTA DE SPOILER sobre o filme inteiro, obviamente!)

Como foi sua experiência com o filme estreando na quarta-feira e com sua recepção?
Foi memorável. Em todos os anos que estive fazendo isso, eu nunca tive uma estreia onde tantas pessoas falavam comigo. Foi muito legal. E ver as pessoas falando sobre o filme no Twitter foi muito emocionante. Não estou acostumada a fazer algo que tantas pessoas notem. Sou alguém que passa despercebida.

Enquanto eu assistia a conversa se desenvolver online durante o fim de semana, uma coisa que estive pensando é que Happiest Season não dá pra ser só um filme, porque também é um símbolo – mas eu penso que também se torna difícil quando a história é pessoal para você. Você pode falar sobre ser a primeira nesse tipo de situação? É um peso?
Acho que é um privilégio. E sim, sei que ser a primeira vem com muitas expectativas. Mas eu também senti que é tão ultrapassado para um filme assim ser feito nessa escala, entende? Tudo o que eu esperava era que desse aos estúdios ou streamers a impressão de que filmes como esse possuem um público, e que as pessoas querem assisti-los. Eu só queria fazer um trabalho bom o bastante para fazer mais em uma escala maior. As histórias LGBTQ seriam – sabe, existiriam mais delas!

Falando sobre algumas das coisas que as pessoas comentaram – obviamente, você escreveu o filme para que Abby terminasse com a Harper, mas muitas pessoas queriam que a Abby ficasse com a Riley! Você –
Querem que a Abby fique com a Riley ou querem que elus fiquem com a Riley? Digo, pode ser os dois.

Acho que os dois? Mas definitivamente querem que a Abby fique com a Riley.
Sim. Digo, escuta: Aubrey é incrível. Ela é incrível em geral e foi fantástica nesse filme. Fiquei muito animada quando ela concordou em fazê-lo. E fiquei muito animada quando ela estava no set; fiquei muito animada na sala de edição. Poder fazer um filme e colocar alguém que amo e admiro nele tanto quanto amo e admiro a Aubrey – e então várias pessoas se apaixonarem por ela – é uma grande recompensa. Não os culpo por a amarem tanto quanto amam.

E eu também acho muito legal ter um filme em que as pessoas estão tendo essas conversas e esses debate, que elas estejam engajadas.

Você pode falar sobre a Riley em geral? O que você queria da personagem dela?
Acho que existe algo muito específico quando você é a única pessoa queer em uma situação e outra pessoa queer aparece. É um grande alívio. Existe uma estenografia, um conforto – é uma experiência muito específica. Por muito tempo eu fui a única pessoa queer em um set, entende? E quando há outra pessoa queer por lá, ou especificamente uma mulher queer, eu imediatamente sou atraída para essa pessoa. E nós ficamos atraídas uma pela outra e uma estenografia se desenvolve.

Então, a personagem da Riley era isso; eu queria dar isso para a Abby. Queria dar conforto para ela em uma situação difícil. Eu sou amiga de tantas mulheres queer. E temos essa conexão especial, um relacionamento muito especial. Mas isso não significa que quando estou passando por um momento difícil no meu relacionamento amoroso, vou fugir com elas. Mesmo se for a Aubrey Plaza!

Talvez você não tenha visto, mas existem posts inteiros sobre como claramente a Abby deveria fugir com a Riley. Isso é uma surpresa?
Acho que tem menos a ver com o filme e mais com a sua filosofia de crescimento e perdão. Escrever esse filme da perspectiva de uma mulher de 43 anos que nem sempre foi o melhor de si mesma – foi uma estrada longa, com buracos e tempestades para chegar na pessoa que sou hoje. Tenho muito orgulho da pessoa que sou agora, mas nem sempre fui essa pessoa. É compreensível que algumas vezes você precisa ir muito fundo para descobrir como voltar para o topo. E eu entendo o impulso de parar e fugir e ser tipo, vá para o inferno com isso. Mas eu também acredito que as pessoas podem melhorar, podem crescer e mudar. Elas podem reconhecer que talvez seu comportamento não tenha sido tão bom quanto achavam e podem fazer um esforço consciente de mudar isso.

Eu também acredito que não se assumir é muito doloroso. Não é um lugar fácil de estar. E acho que ter compaixão por alguém nessa situação é muito importante. A personagem da Harper é alguém que acho que sente muita vergonha nisso – ela se sente mal. Nada disso é fácil para ela, sabe?

Eu passei quatro anos com a Harper – sinto que a entendo e amo muito. E acho que ela vale a pena. Eu quero o melhor para todos os personagens desse filme. E acho que a mensagem que você pode estragar as coisas e que você pode trabalhar nisso e ser melhor é muito importante. E seja gentil com si mesmo, tenha compaixão. Porque eu acho que compaixão está em falta.

Sim.
E é uma característica humana muito importante, e uma que eu não tive por um longo tempo. Uma que desenvolvi conforme fui ficando mais velha. Foi algo que tive que trabalhar para desenvolver. E agora tenho tanta compaixão que choro com comerciais o tempo todo. Choro com aquele vídeo do Dodo das pessoas que deixaram seus cães em casa quando se mudaram. Não consigo entender como alguém faria essa escolha! Eu só choro e choro. Minha parceira olha para mim tipo, ”O que você está fazendo?”

Naquele final, eu vi muito ódio pela Harper não somente por colocar a Abby nessa situação primeiramente, mas que sua primeira reação foi dizer que não era gay depois de sua irmã Sloane (Alison Brie) ter a tirado do armário. Você pode falar sobre como você e Mary escreveram essa cena?
Foi realmente o momento da última regressão. Assim que elas chegam na casa, ela começa a regredir de pouquinho em pouquinho e voltar para a dinâmica antiga da família. E no momento que isso acontece, ela está no auge do medo. Ser tirada do armário daquele jeito foi muito intense. Sloane também está regredindo. No momento que ela faz isso, ela percebe, ”Meu Deus, o que eu fiz?”

Harper tem a reação e então a repercussão bate imediatamente. É o fundo do poço para ela, sabe? Ela está no fundo do poço naquele momento. Todos os comportamentos antigos, todas as coisas de origem da família voltam não só borbulhando para a superfície, mas como um gêiser voando. É um momento muito doloroso que acaba sendo o catalisador para sua libertação daquele comportamento e para fazer a escolha que ela nunca teve forças para fazer antes. É extremo.

Quando nos falamos pela primeira vez, você disse que a luta de Harper em voltar para casa e se colocar no armário novamente fez a personagem ser “a parte mais difícil do filme.”
É sobre humanizar essa experiência que acho que muitas pessoas não viram a não ser as que passaram por isso. Você está a conhecendo nos piores quatro dias de sua vida quando ela nem é ela mesma. Foi desafiador escrevê-la, mas mesmo quando estávamos trabalhando com o figurino – porque ela não vai para casa com suas roupas normais porque a mãe dela vai escolher para ela. Ela está tentando imitar essa pessoa que seus pais querem que ela seja. É um desafio obter todas essas nuances e fazê-la ser autêntica e pé no chão.

Ela está usando um grande casaco na primeira cena, mas seu guarda-roupa é mais vintage, menos arrumado. É mais a Harper verdadeira. E então imaginá-la se arrumando, fazendo as malas, e pensando, ”Qual desses minha mãe não vai implicar?” Tipper até compra um vestido para a Harper que é idêntico ao que ela usa no filme. Seus pais estão constantemente tentando sutilmente, e não tão sutilmente, torná-la a pessoa que eles querem que ela seja, então ela está vendo tudo por essas lentes. Acho que isso é uma coisa muito real. Seja você queer ou não, pais que estão zelando por seus filhos o tempo inteiro é realmente sufocante.

Existe um número razoável de homens gays que eu conheci que se descobriram surpreendentemente atraídos pela performance de Aubrey Plaza com Riley – o que me leva até esta pergunta, na verdade. Você tinha um sentimento de que as pessoas seriam atraídas pela personagem dela desse jeito? Digo, isso tudo é muito novo para ela.
Porque ela é tão magnética?

Sim.
Acho que você nunca pensa que as pessoas vão se apaixonar por algo. Não penso nisso. Eu sabia que as pessoas a amariam no filme, sabia que ela era incrível. E sim, ela é uma gata!

Quando entrevistei Kristen Stewart, ela falou sobre como o casal precisa estar ameaçado, mas duh, é uma comédia romântica, é claro que elas vão ficar juntas. Mas existiu algum momento durante o processo de escrita dessa história em que Abby terminou sozinha?
Não. No entanto, isso é muito interessante. Tipo, hmm – de repente estou me levando em uma jornada com esse final alternativo.

Acho que seria uma comédia romântica estranha.
Não acho que seja tão estranho. É como O Casamento do meu Melhor Amigo.

Você iria querer uma sequência? Todas essas comédias românticas natalinas da Netflix conseguem sequências – por que essa não?
Eu adoraria fazer uma sequência.

Você tem alguma ideia?
Tenho algumas. Nós nos divertimos tanto fazendo esse filme que falamos sobre isso na época. Mas também, quem saberia que iam ligar ou não para o filme? Então estou mais do que aberta a isso.

As pessoas vão ficar felizes sobre isso, especialmente se tiver uma sequência com um spin-off para a Riley! Clea, esse é o primeiro filme focado em lésbicas que se tornou um viral desse jeito. Como você se sente?
Eu não entendo realmente o que significa viral. Na verdade, faço piadas com isso em casa. Tipo, eu tenho duas novas mensagens e fico, ”Me tornei um viral.” Realmente só estou muito animada que as pessoas estão assistindo ao filme e sendo afetadas e tendo conversas sobre ele. Há tanta falta de visibilidade que para algo assim estrear e ser tão visível e tantas pessoas querendo assistir – fico muito grata. É realmente louco.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart e Mackenzie Davis brincaram de ‘O quanto você conhece sua colega de elenco?’ para a revista Marie Claire em novo vídeo divulgando Happiest Season. Confira:

Kristen Stewart e Mackenzie Davis brincaram de ‘Conheça o Personagem’ para o Mashable e tiveram que adivinhar qual personagem de famosos filmes de romance estavam faltando na foto. Confira:

Kristen Stewart, Mackenzie Davis, Dan Levy, Alison Brie, Aubrey Plaza e Mary Holland brincaram de um jogo chamado ‘Quem é Quem’ para o Buzzfeed e você pode conferir legendado abaixo:

Kristen Stewart, Mackenzie Davis, Mary Holland e a diretora Clea DuVall participaram da live CHOSEN, uma celebração à comunidade LGBTQ+ e falaram sobre Happiest Season. Confira o vídeo legendado abaixo:

Participando da conferência de imprensa de Happiest Season com vários veículos internacionais, Kristen Stewart falou sobre o filme e sua importância, mas também aproveitou para responder sobre seu próximo projeto onde interpretará a Princesa Diana, Spencer. A entrevista foi reduzida para que somente as novas citações fossem destacadas. Confira:

Kristen Stewart é encorajada pelo o que ela vê nas redes sociais. ”Fico inspirada e excitada com a ideia de que vejo mais presença queer com orgulho nas redes sociais. As pessoas mais jovens do que eu, me inspiram mais do que a minha geração. Então para ser honesta, tenho sorte por poder refletir essa perspectiva em minha escolha de filmes.”

”As pessoas estão gastando dinheiro em filmes como esse (Happiest Season) por causa da geração mais jovem, não necessariamente por mim, mas o crescimento que isso inspirou. É o desejo e a lacuna que inspirou o preenchimento. Sou muito grata só por fazer parte dessa troca. Funciona dos dois jeitos.”

Sobre a coincidência de filmes queer como Happiest Season, Ammonite e The Prom serem lançados na mesma época, Kristen opinou, ”Eu cresci em uma época em que ninguém sonharia em fazer esse filme comercialmente. Seria um filme mais marginalizado e pequeno para as minorias. Cresci com pessoas que possam se sentir assim. Eu sei a diferença entre o mundo que vivemos agora e o que vivíamos alguns anos atrás.”

”É otimista pensar que isso foi normalizado em cada lar pela América, porque obviamente não foi. Há muita divisão por aqui. Embrulhar uma mensagem como essa em roupas tão confortáveis e entregar com verdadeira compaixão e afeto é um jeito legal de tentar preencher essa lacuna.”

”Você teria que ser uma pessoa ruim para não gostar da história [risos]. Você teria que ser muito babaca para não gostar da história. Tivemos alguns filmes assim, mas tudo bem. Há muitas formas de participar dessa discussão. Isso não é argumentative.”

“As pessoas precisam de ajuda,” Kristen deu ênfase sobre os desafios de fazer um filme gay. ”A responsabilidade de mais pessoas queer mais autorrealizadas é conduzir o cavalo até a água. Você não pode forçá-lo a beber, mas você definitivamente pode apresentar algo repleto de positividade, amor e aceitação. E apenas esperar que funcione.”

”Tenho muita sorte de estar em um filme que não é tímido. É muito autorrealizado. Possui uma facilidade, eu não queria representar um casal gay que não parecesse vivido e confortável com si mesmo em sua própria história. E sim, a personagem da Mackenzie está se assumindo e ela tem dificuldade de fazer isso com a família, mas em sua vida, a Mackenzie é uma mulher muito realizada. Ela realmente se conhece. Essas duas mulheres possuem um respeito imenso uma pela outra. Pensei que era muito importante representar um casal gay que não era necessariamente alternativo ou marginalizado.”

“Elas são como nós. Não são obcecadas pela cultura gay. Ela são apenas naturalmente elas mesmas e são apaixonadas.”

Happiest Season também estrela Dan Levy, Alison Brie, Aubrey Plaza, Mary Steenburgen e Victor Gargar.

A primeira atriz americana a ganhar um César, o equivalente francês ao Oscar – com créditos que incluem Acima das Nuvens, Personal Shopper e Seberg – está se preparando para interpretar a Princesa Diana em seguida.

No drama Pablo Larraín, Spencer, Kristen interpretará Diana em um momento específico (três dias, exatamente), durante o Natal em Sandringham onde ela reflete sobre terminar seu casamento com o Príncipe Charles.

É um desafio, já que Emma Corrin está granhando elogios por sua interpretação da Lady Di na atual temporada de The Crown. Kristen admitiu ser uma grande fã da série.

”Sou obcecada por The Crown,” ela disse. ”É brilhante. Já passei pelas três primeiras temporadas e estava esperando a quarta. Já assisti metade. Até deu um passo acima de onde estava.”

“Eu tenho esse acompanhamento para algo que já estou tão consumida. Tenho essa ajuda visual, meio emocional. Eu literalmente vou dormir com a voz dela em entrevistas para ficar na minha cabeça para nunca sentir que estou fazendo uma imitação.”

“Estou consumindo tudo sem especificidade, só para senti-la intrinsicamente e não sentir a pressão de estar fazendo uma imitação. Quando você conta histórias sobre as pessoas que você mais conhece na vida, você imediatamente faz o tom da voz delas.”

“Eu quero conhecê-la. Não quero fazer uma imitação ruim. Quero realmente senti-la o máximo que puder. Então minha preparação para ela tem sido realmente emocional.”

“Eu queria que o estado do mundo estivesse mais aberto. Atualmente, tudo está em lockdown. Eu queria ir até Sandringham e ver os lugares onde ela morou, esses espaços monumentais onde você se sente tão pequeno. Estou indo lá através de The Crown [risos]. Não posso ir para Londres, mas vou até lá através de pesquisas o máximo que posso. Tenho um professor de dialeto brilhante.”

“Mal posso esperar para ir nessa jornada de sonhos com o Pablo porque o filme se passa em três dias. Não há detalhes impudicos ou novas informações representadas. Realmente é só uma imaginação de três dias em um período que talvez tenha sido o mais pesado para ela.”

“É realmente uma experiência interna. Portanto, estou tentando me abrir para ela o máximo que posso. Então quando chegarmos lá, posso completamente esquecer do sotaque e de todas as coisas que estou preocupada agora.”

Sobre a performance da Emma, em particular, Kristen foi efusiva. ”Emma arrasou e ela deveria estar muito orgulhosa de sim mesma. Eu amo a série, Emma é incrível. É muito comovente. Tenho certeza que os fofoqueiros querem saber de duas pessoas interpretando a Diana ao mesmo tempo. Eu a interpreto um pouco mais tarde, quando ela tem quase 30 anos.”

“Acho que Emma termina um pouco antes da idade em que eu começo. Eu a interpreto apenas um ano depois que a história de The Crown acaba, o que para nós, demos sorte [risos]. Então, não existe nenhum crossover.”

“Eu já consumi tudo o que tem para consumir, em questão de vídeos. Cada entrevista que você pode ouvir ou ver, eu vou dormir fazendo isso.”

Se juntando à ela na jornada em Spencer, está alguém chamado Cole. ”O nome da minha cadela é Cole,” Kristen disse sobre a linda cadela preta atrás dela. ”Ela é minha melhor amiga, fazemos tudo juntas. Estou tentando conseguir um passaporte de cachorro para que ela possa ir comigo fazer a Diana. Não consigo me imaginar fazendo isso sem ela. Cole é meu sistema de apoio.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

12345