Com o início das gravações de The Chronoogy of Water na terça-feira (25), a Nevermind Pictures, produtora fundada por Kristen Stewart, Dylan Meyer e Maggie McLean foi anunciada oficialmente. Além do anúncio oficial, também foi divulgado que a Nevermind fará parceria com a Fremantle, uma das grandes produtoras do cinema independente, em um acordo de first-look. Entenda:

A poderosa produtora global Fremantle garantiu um contrato com a Nevermind Pictures, a produtora fundada por Kristen Stewart, Dylan Meyer e Maggie McLean.

O acordo, anunciado na terça-feira (25), dá para Fremantle a prioridade de todos os projetos para o cinema e para a TV da Nevermind. A divisão global de drama da Fremantle, sob supervisão do CEO Christian Vesper e do COO Seb Shorr, trabalhará com a Nevermind, enquanto o braço de distribuição internacional, FMI, lidará com os títulos para a TV.

Kristen Stewart, indicada ao Oscar, foi vista mais recentemente no filme noir lésbico de Rose Glass, Love Lies Bleeding, que fez grandes negócios para a A24, arrecadando mais de 8 milhões de dólares nos Estados Unidos; e ao lado de Michael Cera na comédia dirigida por Michael Angarano, Sacramento, que estreou no Festival de Tribeca. Meyer, que é noiva de Stewart desde 2021, é uma roteirista com crédito de co-escritora em Moxie, filme dirigido por Amy Poehler para a Netflix. McLean é mais conhecida por seu trabalho na produção de videoclipes de artistas como Boygenius e LCD Soundsystem.

A Nevermind anunciará em breve a lista inicial de projetos sob o acordo, a qual Fremantle diz que incluirá uma “diversa gama de filmes, dramas e documentários.” O envolvimento de Stewart, Meyer e McLean variará entre os projetos, com Stewart potencialmente dirigindo, escrevendo e/ou atuando; Meyer dirigindo e escrevendo e todas as três produzindo.

“Estamos muito entusiasmadas por estarmos com parceiros criativos tão respeitados e com ideias semelhantes”, disse o time da Nevermind Pictures em uma declaração conjunta. “Ficamos impressionadas com os talentos que a Fremantle juntou e mal podemos esperar para começar nossas primeiras incursões ao lado deles.”

A Nevermind Pictures se junta à impressionante lista de parceiros criativos da Fremantle, que inclui acordos com Luca Guadagnino, Angelina Jolie, Paolo Sorretino, a Astral Projection de Rachel Weisz, a Fabula de Pablo e Juan de Dios Larraín, a Nine Hours de Edward Berger, entre outros.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

O apresentador Seth Meyers falou com o IndieWire em recente entrevista sobre como foi gravar o quadro Day Drinking com Kristen Stewart. O quadro faz parte do programa Late Night with Seth Meyers. Leia:

Um momento de ‘Seth Goes Day Drinking’ com Kristen Stewart ainda assombra Seth Meyers.

O quadro popular do ‘Late Night with Seth Meyers’ mostra o apresentador bebendo a tarde toda com uma celebridade convidada enquanto fazem brincadeiras e desafios cada vez mais ridículos. Para a aparição de Stewart em março de 2024, Meyers e a equipe planejaram fazer a atriz indicada ao Oscar interpretar umas cenas propositalmente bobas — enquanto ela estava um pouco embriagada.

Meyers só não contava que Stewart seria tão boa.

“Meu momento favorito da Kristen foi fazê-la atuar, e assisti-la tão de perto foi emocionante”, contou Meyers ao IndieWire. “Foi de arrepiar. Mas eu a cortei em algum momento [enquanto ela atuava] e Kristen ficou muito brava. Não sei se ela ficou brava de verdade, mas senti que ficou frustrada porque estava prestes a descobrir alguma coisa como atriz. Acho que, pelo menos uma vez por dia, penso comigo mesmo: ‘Estragou tudo, cara. Você atrapalhou Kristen Stewart quando ela estava prestes a fazer uma descoberta.’ Parece algo que nunca vou superar!”

Combinar a série ‘Day Drinking’ com a maior It Girl da cena indie resultou em um dos episódios favoritos de Meyers. “Kristen só esteve no meu programa uma vez e eu gostei dela”, disse Meyers. “Acho que as pessoas gostam da Kristen porque conseguem perceber que ela é mesmo verdadeira.”

“Eu a vi no SNL e percebi: ‘Ah, ela também tem essa veia engraçada e estranha que parece que nenhum de nós teve sorte o bastante de ver’”, continuou o apresentador. “Mesmo sabendo de tudo isso, quando a equipe dela disse que Kristen queria fazer o quadro, minha primeira reação foi: ‘Maaas, ela bebe? Eeee ela é divertida quando bebe?’ Eles insistiram que ambas as coisas eram verdade. E, certamente, não estavam mentindo.”

De fato. É claro, toda a espontaneidade embriagada (jogo de dardos, Kristen vestindo Seth como um ícone lésbico) precisou de uma preparação cautelosa da equipe do programa. Trabalhando há 10 anos no Late Night, Meyers confia na equipe, mesmo quando ele não se lembra de tudo o que aconteceu no dia seguinte das gravações.

“Eu acordo aterrorizado toda manhã após o Day Drinking. Acho que da mesma maneira que costumava acordar depois de uma festa da faculdade”, diz Meyers. “Eu penso: ‘Eita, o que eu disse!? Fui maneiro!? Estava sentindo que era maneiro ontem e agora me sinto um idiota.’ Que bom que são gravados porque, caso contrário, seria a pior merda do mundo alguém tão legal quanto Kristen Stewart passar a tarde com um homem de 50 anos de idade.”

Como é o brainstorm para criar bebidas específicas para a Kristen, como a Royals e a que foi baseada em Crepúsculo?
Sempre pensamos em criar bebidas temáticas terríveis como uma forma de quebrar o gelo. Sempre começamos com um jogo de perguntas e perguntas que inevitavelmente parece ser cortado do produto final. Com a Kristen, nós perguntamos sobre prêmios em festivais de cinema. E, no fim, foi uma boa maneira de começarmos a beber, mas não foi algo particularmente dinâmico de assistir, então foi cortado. E, quando que vai ser divertido assistir Kristen atuar em cenas idiotas?

Ela claramente havia bebido uma boa quantidade de álcool naquele momento, mas ainda era uma ótima atriz.
É a conclusão, né? Vou te contar, se você é diretor e Kristen Stewart aparece bêbada para trabalhar, não pense que é um dia perdido, você pode conseguir cenas muito boas [risos].

Houve alguma coisa que você tentou fazer com ela e que não funcionou?
A brincadeira das perguntas e respostas. Acho que pensamos: ‘Ah, muito engraçado criticar a Kristen por não saber o que ganhou e onde”, e a realidade é que ela se importava de verdade se conseguia ou não se lembrar. Então, nós pensamos: ‘Ah, você valoriza o apreço que as pessoas tem pelo seu trabalho de uma maneira que me faz parecer idiota por questionar.’ Então, no fim, as coisas não funcionam quando os convidados são pessoas melhores do que eu.

Não sabia que você normalmente não grava o programa no dia seguinte. E, com a Kristen, você precisou.
Sim, fizemos com base na agenda dela e valia a pena. Agora, acho que vamos fazer assim. Não tem problema. Estar com um pouco de ressaca não é a pior coisa do mundo quando se está apresentando um programa de comédia. Certamente não vou ser o primeiro comediante a apresentar um programa de ressaca. Além do fato de que ela estava disposta a gravar o quadro na segunda-feira e participar do programa como convidada na terça-feira. Uma ótima pessoa, no geral.

O que você se lembra da primeira vez em que viu o primeiro corte do quadro?
Basicamente o que fazemos é: Mike Shoemaker, meu produtor e melhor amigo, tem que assistir o primeiro corte e me preparar para certas coisas. Por exemplo, o que eu amo no Day Drinking é como os episódios são diferentes. O da Kristen foi o mais quieto, com mais conversa, e eu amei demais porque não era parecido em nada com os outros. Então, ele me disse que começava mais lento, mas ficará mais tempo na memória, o que eu acho que é verdade.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart é capa da PORTER Magazine
13, jun
postado por KSBR Staff

Kristen Stewart foi capa da edição de maio da revista Porter e falou sobre sua estreia como diretora com a adaptação do livro de memórias de Lidia Yuknavich, The Chronology of Water. Confira as fotos e a entrevista traduzida abaixo:

PHOTOSHOOTS > PHOTOSHOOTS 2024 > PORTER MAGAZINE

Em uma tarde ensolarada em Los Angeles, Kristen Stewart está encerrando sua mais recente turnê de divulgação. Estamos no escritório da casa dela, situado em uma encosta em Los Feliz, com vista panorâmica da cidade. Depois de um início de ano turbulento, este momento marca o fim de um capítulo para Stewart, antes que o próximo seja escrito.

Desde que estreou no Sundance Film Festival no começo do ano, Love Lies Bleeding, o segundo filme da diretora e roteirista Rose Glass, cativou tanto o público quanto os críticos, em grande parte devido à fascinante interpretação de Stewart como Lou, uma gerente de academia aparentemente niilista, cuja vida vira de cabeça para baixo quando se apaixona à primeira vista por uma fisiculturista.

“Acho que ficamos chocadas por termos conseguido fazer esse filme”, ela me conta, enquanto voltamos para a varanda dos fundos. “Porque é tão estranho. É violento e às vezes um pouco irredimível, mas faz você prestar atenção. É assustador e confrontante.”

Encaixar o filme em qualquer uma das categorias que foi rotulado até agora — ação, thriller, romance, mistério, neo-noir — parece redutor. Glass citou tanto Showgirls quanto Os Embalos de Sábado à Noite como influências, enquanto no Letterboxd uma crítica diz que é: Amor à Queima-Roupa para gays.” De alguma forma, Love Lies Bleeding invoca o espírito de todos esses filmes lendários, mas está em uma categoria própria ao mesmo tempo: um sonho febril corajoso que desafia os gêneros e exala sexo, vulnerabilidade e surrealismo de maneira simultânea.

No meio desse caos, a atuação de Stewart atinge uma sutileza delicada que faz você chorar em um momento e rir em outro. “Acho que as coisas ficam hilárias nos momentos mais dramáticos da vida… É uma combinação estranha de tons”, diz ela. “Por isso que a Rose é boa para caralho. Você acharia que ficaria desajeitado.”

Há uma efervescência quase infantil na maneira como Stewart fala sobre o trabalho com Glass, ficando tão animada em certos momentos que chega a levantar da cadeira, destacando com animação a coragem da cineasta, a aparência de sua personagem e a rejeição total da “besteira prescritiva” que muitos executivos da indústria esperam da arte de uma perspectiva feminina. “Tenho tanta admiração por ela… e tem me inspirado muito. Mas, ao mesmo tempo, penso que ainda não cheguei lá.”

Só o tempo dirá. Quando nos conhecemos, Stewart está aproveitando as duas últimas semanas de calma antes de embarcar no que será o próximo projeto que definirá sua carreira: o primeiro filme como diretora. Ele é baseado em The Chronology of Water, um penetrante livro de memórias de 2011 escrito pela americana Lidia Yuknavitch e que explora as experiências dela com vício, abuso sexual na infância e, enfim, se encontrar na escrita e na natação competitiva como meio de catarse.

“Estou fazendo o que chamamos de ‘preparação leve’, o que soa meio estranho,” diz Stewart. “É o lugar em seus sonhos em que você vive antes de ter uma equipe à disposição.” Até certo ponto, essa preparação leve está em andamento há mais de sete anos. Depois de conseguir os direitos do livro, ela anunciou o projeto pela primeira vez no Festival de Cannes em 2018, antes de contratar a atriz britânica Imogen Poots para interpretar o papel principal. Mas a jornada para dar vida ao projeto não tem sido fácil. Stewart tem falado abertamente sobre sua luta para financiar o filme ainda este ano, quando em janeiro declarou que pararia de atuar até conseguir completar o projeto.

“É uma coisa meio constrangedora de falar, porque é difícil fazer qualquer filme. Sabe, um que não esteja falando de algo bem padronizado”, ela reflete. “Meu filme relata incesto, menstruação e uma mulher conseguindo a voz e o corpo de volta de uma maneira violenta, e isso, às vezes, é difícil de assistir… mas vai ser uma aventura emocionante. Eu acho que é comercial, mas parece que não tenho ideia do que isso significa”, ela ri. “Acho que as pessoas gostariam de assistir, mas então… talvez elas queiram assistir filmes sobre, sei lá, Jesus e cachorros.”

Para dar vida a sua visão, Stewart está levando a produção do filme para a Letônia, em vez da bolha cinematográfica de sua cidade natal, Los Angeles, onde reside com sua noiva, a roteirista Dylan Meyer. É uma decisão que ela me diz ter lhe dado a capacidade para ter a liberdade que precisa em um processo muito exploratório. O pequeno país no norte da Europa será o cenário para cenas em Nova York, San Diego, Florida e no noroeste do Pacífico, abrangendo três décadas de história. “Há uma cultura cinematográfica iniciante lá. Olha, eu adoro a maneira como fazemos os filmes aqui [nos EUA], mas precisava de um distanciamento radical. Ainda não sou diretora. Preciso fazer um filme pequeno. Não posso fazê-lo aqui.”

Há uma franqueza pura e modesta que emana de Stewart — uma atriz ganhadora de vários prêmios, indicada ao Oscar, que trabalha na indústria do entretenimento desde a infância e que interpretou a personagem principal em uma das franquias mais lucrativas da história do cinema. Apesar de sua posição em Hollywood — atuando, produzindo e agora dirigindo —, ela fala sobre a máquina, da qual ela indiscutivelmente faz parte, com um senso de distância e um cinismo encantador. À medida em que nos aprofundamos na decisão dela de resistir o máximo que conseguiu, para criar a arte que ela quer, a paixão pelo material fica clara, mas também existe algo mais profundo na jogada. As escolhas de Stewart parecem uma retaliação contra uma indústria em que artistas, especificamente mulheres, são forçados muitas vezes a ceder seus instintos para terem sucesso.

“Existe uma ideia de que podemos marcar umas caixinhas e acabar com o patriarcado e como todos somos feitos dele”, ela considera. “É fácil para eles dizerem: ‘Olhem o que estamos fazendo. Estamos produzindo o filme da Maggie Gyllenhaal! Estamos produzindo o filme da Margot Robbie!’ E você pensa: ‘Ok, legal, vocês escolheram quatro…’ E eu as admiro, eu amo essas mulheres, mas parece falso. Se estamos nos parabenizando por ampliar a perspectiva, quando realmente não fizemos o suficiente, então paramos de ampliar.”

Dois dias antes de nos encontrarmos, Stewart completou 34 anos, uma ocasião que ela me disse que não teria comemorado se não fosse pelo incentivo das pessoas que ama. (Meyer, sua parceira há cinco anos, compartilhou uma mensagem de aniversário no Instagram com uma foto de Stewart de pernas cruzadas em uma cama segurando o gato de estimação das duas: “Eu realmente amo você e desejo uma chuva de meteoros de coisas boas no ano que está por vir.”) Mas Stewart sente uma gratidão profunda por este momento específico de sua vida.

“Estou muito, muito feliz com a minha idade”, ela declara, contemplando a forma como suas prioridades criativas mudaram com o tempo. “Como atriz, sou chamada para servir às visões de outras pessoas. Você fica ganancioso, é bom ser chamada… mesmo quando você não gosta do trabalho. É legal que, à medida que envelheço, prefiro ajustar minhas experiências para objetivos com foco no resultado em vez de só algo que vai ser bom para mim.”

O contentamento de Stewart também parece estar enraizado no conhecimento de que, embora sua experiência como mulher aos olhos do público tenha sido longe de ser fácil, aconteceu em uma época ainda mais impiedosa. “Mesmo que ainda sejamos emocionalmente violentos com as mulheres hoje em dia, é muito mais passivo-agressivo… Antes, era direto para caralho.”

Stewart é sagaz no jogo da fama e encontrou maneiras de superar o escrutínio. Ela tem pensamentos conflitantes sobre as redes sociais, dizendo que são falsas e performáticas por um lado. “Mas então penso que isso é arrogante e completamente redutivo porque há verdade em tudo o que você vê.” Ela só tem uma conta secreta no Instagram que mantém privada e só para postar “selfies com amigos”.

Mas ela passou a gostar de partes do trabalho voltadas para o público. O estilo de Stewart, em particular, evoluiu para uma mistura divertida entre o casual e o luxuoso, levando um toque despojado para seus looks no tapete vermelho. “Se a moda não fizesse parte do meu trabalho, usaria a mesma coisa todos os dias… e não conheceria esse meu lado, que é muito divertido.”

Para a capa da PORTER, alguns dias antes do nosso encontro (aliás, para os fãs de Crepúsculo, no dia do eclipse solar), Stewart adorou colaborar com a equipe e com a fotógrafa Zoey Grossman para criar uma história que ela queria para sair dos padrões. “Tenho sorte de ter feito muitas sessões de fotos… mas é sempre em alguma casa chique de meados do século e você fica relaxando em algum ambiente doméstico. A ideia [com essas fotos] é que queríamos que parecessem feitas em um tempo prolongado. Acabei de ler uma história sobre uma dona de casa que percebe que é um fantasma, então pensei: ‘E se fingirmos que estive nessa sessão de fotos por 100 anos?’ Eu amo trabalhar com a Zoey. Você pode realmente experimentar e fazer coisas loucas.”

Enquanto nos preparamos para nos despedirmos, fico impressionada com o quanto Stewart fala despreocupada; sem assessor e com uma aversão nítida à bajulação da qual muitos na indústria se consideram escravos. “Fico constrangida com qualquer coisa que não seja autêntica”, ela ri. “Mas então penso: ‘O que é autenticidade?’” De onde estou, parece que ela não precisa procurar muito para saber.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart interpretará a astronauta Sally Ride em sua estreia na televisão com a série The Challenger. Sally foi a primeira mulher e membro da comunidade LGBTQ+ a ir para o espaço, além de ajudar na Comissão Rogers. O estúdio Amazon MGM está perto de fechar negócio para produzir e exibir a série. Kristen também assume o papel de produtora executiva ao lado de nomes como Steven Spielberg. Saiba mais:

Kristen Stewart fará sua estreia na TV em The Challenger, uma série limitada em que interpretará Sally Ride, a astronauta e física que se tornou a primeira mulher americana a ir para o espaço. Ela fez isso como parte de uma turma de astronautas do ônibus espacial da NASA de 1978, a primeira a ser diversificada e não composta totalmente por homens brancos.

A Big Swing Productions de Kyra Sedgwicks desenvolveu e levou o projeto para a Amblin e está na produção executiva com a Amblin Partners de Steven Spielberg e Stewart por meio da Nevermind Pictures. Darryl Frank e Justin Falvey, da Amblin, também são produtores executivos.

Maggie Cohn será a roteirista e showrunner, seus créditos incluem American Crime Story, The Staircase e Narcos: México. Esta tem sido a propriedade em alta no leilão de TV desta semana, e a Amazon está próxima de fechar o negócio.

A série é baseada no livro The New Guys, escrito por Meredith E. Bagby, que se une à Sedgwick e Valerie Stadler na Big Swing. Elas também são produtoras executivas.

De certas formas, a série possui a tapeçaria para contar a história que sucede The Right Stuff, que foi baseada no livro de Tom Wolfe sobre o choque cultural que ocorreu quando os melhores pilotos de caça do mundo, e os mais arrogantes, se jogaram na corrida espacial entre os Estados Unidos e a Rússia. Bagby conta a história de um grupo que foi apelidado por seus antecessores de “Os Novatos F*didos”, quando a NASA buscou diversificar seus pilotos e tripulações para o programa do ônibus espacial. Ride foi a primeira mulher e membro da comunidade LGBTQ+ a ir para o espaço. Também no mesmo programa estavam os primeiros astronautas negros e asiático-americanos e um casal. Eles passaram por todos os testes rigorosos para se tornarem os melhores da turma, e egos, ambições e romances fizeram parte do choque cultural. Eles também eram bastante brilhantes.

Em 1983, Ride foi a primeira mulher americana a voar no ônibus espacial e se tornou uma celebridade instantânea. A felicidade durou pouco, no entanto, quando três anos depois, o ônibus espacial Challenger explodiu 73 segundos após o início da subida, matando todos os sete membros da tripulação. Ride então se tornou a única astronauta a fazer parte da Comissão Rogers, uma comissão presidencial para investigar o desastre, e mais tarde foi divulgado que ela identificou os problemas com os anéis de vedação que ficavam rígidos em temperaturas baixas, o que causou a explosão. Ride morreu de câncer aos 61 anos em 2012, uma verdadeira heroína americana.

A esperança é preparar a série para ser lançada próxima ao aniversário do desastre do Challenger, que aconteceu 38 anos atrás, em 28 de janeiro de 1986. Para Stewart, isso é a continuação da evolução de sua carreira que começou após os filmes da Saga Crepúsculo, na qual se estabeleceu como uma atriz mais assistível e versátil.

Num momento em que o mercado anda parado, como um pacote dos sonhos como esse acontece? Sedgwick explica que foi um projeto muito caseiro, e não um que acontece da noite pro dia:

“É algo em que Meredith, Valerie e eu temos trabalhado na Big Swing desde 2017, um projeto sobre a nova turma de astronautas recrutados pela NASA no início da década de 70”, disse ela. “Sally Ride estava entre eles, e o foco é neste grupo insano de astronautas recém-recrutados que era muito diverso. E pegando uma carona em Oppenheimer, também conta a história da Comissão Rogers que investigou o desastre do Challenger, que Ride também fez parte. Meredith Bagby cresceu na Flórida e era obcecada pelo espaço e pelo ônibus espacial, e ela também assistiu a explosão do Challenger. Meredith tem centenas de horas de entrevistas com os membros daquela turma, e nós temos um relacionamento com todos os astronautas vivos e eles serão alguns dos nossos consultores na série.”

“Ela escreveu o livro e ele entrou na lista dos mais vendidos”, Sedgwick contou ao Deadline. “Queríamos muito contar essa história na forma de uma série limitada. Nosso objetivo na Big Swing é contar histórias conhecidas de uma nova perspectiva e ponto de vista. Tive um relacionamento com Maggie Cohn, e ela se apaixonou pelo livro. Valerie sonhava em conseguir Kristen Stewart, e após mais de um ano tentando fazer o livro chegar até Kristen por meio de sinais, ela leu e se apaixonou. Conseguir Kristen e Maggie foi incrível para uma produtora que ninguém conhece ainda. Somos três garotas com um sonho.

“Então pensamos: nada melhor do que trazer Steven Spielberg para ajudar a contar essa história incrível de astronautas que inspiraram as viagens espaciais para a nova geração. Eles nos ajudaram a preparar a proposta que foi apresentada ao mercado, e tem sido extremamente competitivo e estamos perto de fechar negócio.”

Fazer de Stewart a peça principal também foi interessante, já que a TV não era uma obsessão da atriz.

“Ela nunca fez TV, mas quando leu, ficou obcecada em contar a história de Sally Ride de sua própria perspectiva que nem vou tentar parafrasear porque Kristen é muito eloquente”, disse Sedgwick. “Ela foi tão impressionante nas reuniões de proposta e foi uma grande parte do porquê tem sido uma competição tão grande. Ela é tão convincente e estava tão entusiasmada para contar a história de uma heroína americana que precisou esconder quem era naquela época.

Quem melhor para interpretar Sally Ride do que uma das melhores atrizes da geração dela? Como dizem em Hollywood, a paixão vence hoje em dia. A paixão de Kristen pela produção executiva é grande. Ela tem sido tão persistente para vender a série quanto nós fomos para entregar o roteiro para ela.”

Embora Sedgwick esteja associada de maneira mais íntima com os negócios, foi Stewart que interpretou esse papel no processo de proposta.

“Agora quando todo mundo diz que ninguém está comprando nada, ela não dava ouvidos e nem nós, porque se ouvíssemos todas as vezes que nos disseram que isso seria muito difícil, o projeto não teria saído do papel. A Amblin falou primeiro, Maggie foi ótima e, quando passaram para mim, eu passei para a Kristen e fiquei muito orgulhosa dela porque havia acabado de assistir Love Lies Bleeding. Estávamos todas nisso para ganhar.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart e Oscar Isaac interpretarão vampiros no novo thriller do diretor Panos Cosmatos. Flesh of the Gods é produzido por Adam McKay e poderá começar as filmagens ainda este ano. Saiba mais:

Kristen Stewart e Oscar Isaac estrelarão em Flesh of the Gods, um thriller de vampiros dirigido por Panos Cosmatos, o cineasta mais conhecido pelo filme de terror alucinante Mandy de 2018.

Adam McKay está produzindo o novo filme com Betsy Koch por meio da produtora Hyperobject Industries. Isaac também é produtor com Gena Konstantinakos por meio da Mad Gene Media.

Escrito por Andrew Kevin Walker, mais conhecido pelo roteiro do clássico dos anos 90, Se7en, e baseado em uma história de Cosmatos e Walker, Flesh se passa em Los Angeles durante a reluzente década de 80.

De acordo com os produtores, a história segue um casal, Raoul (Isaac) e Alex (Stewart), que descem de seus apartamentos luxuosos todas as noites para a vida noturna eletrizante de Los Angeles nos anos 80. Quando eles cruzam com uma mulher misteriosa e enigmática e com seu estilo de vida festeiro, Raoul e Alex são seduzidos para um mundo glamoroso e surrealista de hedonismo, emoções e violência.

“Assim como Los Angeles, Flesh of the Gods habita o espaço liminar entre a fantasia e o pesadelo”, disse Cosmatos em uma declaração. “Tanto propulsor quanto hipnótico, Flesh levará você para um passeio nas profundezas do coração reluzente do inferno.”

Os produtores esperam começar a filmar no fim deste ano.

Adam Mckay, ganhador do Oscar, disse em uma declaração: “Com esse diretor, esse roteirista, esses atores incríveis, vampiros, a atitude e o estilo punk dos anos 80… este é o filme que apresentamos para vocês hoje. Achamos que é muito comercial e loucamente artístico. Queremos fazer um filme que repercuta na cultura popular, na moda, na música e no cinema. Perceberam o quanto estou animado?”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart participou do Drew Barrymore Show para divulgar Love Lies Bleeding e as duas compartilharam histórias sobre seus carros e jogaram um jogo de dados. Confira:

ASSISTA COMPLETO!