A figurinista ganhadora do Oscar, Jacqueline Durran, conversou com a Entertainment Weekly sobre os looks de Spencer, suas inspirações e sobre Kristen Stewart. Confira abaixo:

O estilo da Diana é tão distinto e tão documentado. Quais tipos de orientações Pablo te deu desde o começo?
Bom, há o conceito geral do filme em que estamos investigando a ideia de uma princesa que parece ter a vida perfeita, mas não tem. E então havia o jeito em que ele queria criar essa história dentro de um espaço bem desenhado – ele queria que nossas escolhas de vestuário fossem bem intencionais e queria que usássemos cores fortes. Houve uma quantidade enorme de pesquisa.

É um fato que todos mencionam, mas Diana era absolutamente a pessoa mais fotografada que já esbarrei. Digo, se você for em qualquer software de pesquisa, há centenas e centenas de fotos. Então era uma questão de realmente escolher a direção dentro dessa enorme variedade de opções. Nós reduzimos tendo um período entre 1988 e 1992.

Reconheci algumas roupas, outras eu não tinha certeza se eram réplicas de looks que existiram ou se eram mais interpretações.
Há um figurino que é o mais próximo de uma réplica que conseguimos chegar, que é a blusa polo vermelha de gola alta e a saia quadriculada, é o segundo que ela usa no filme. Também há a jaqueta bomber que ela usa no final. Não acreditei que eu encontrei uma idêntica à que ela usou, feita por uma marca chamada Mondi. Digo, é a mesma! Isso foi incrível.

A ideia era de que nunca estávamos fielmente replicando todas as roupas da Diana, mas estávamos definitivamente nos baseando na ideia delas. Então estávamos conscientemente tentando não fazer a versão mais próxima que podíamos em cada ocasião. Mas em alguns lugares usamos coisas que eram exatamente seu estilo e em outros lugares nós nos afastamos. Compramos um par de jeans retrô, e os suéteres não foram feitos por nós, obviamente, mas muitas das peças foram.

Existe uma escassez de Diana agora quando você procura por peças vintage, por causa de séries como The Crown e sua influência, e o ressurgimento geral de interesse nesses estilos?
É um pouco mais difícil porque está mais na moda e mais pessoas estão interessadas em comprar essas peças. Mas se as pessoas estão interessadas em comprar, então os comerciantes possuem mais peças e você precisa pagar mais. [Risos]

Mas muito do guarda-roupa de Diana era feito para ela, então deveríamos falar sobre a questão da Chanel. Seu período principal usando Chanel foi mais tarde em sua vida, mas houve uma visita em Paris, acho que em 1988, em que ela usou um famoso casaco vermelho, que a Chanel replicou para Kristen.

Há tantos figurinos nesse filme, mais do que você imaginaria para um que se passa essencialmente em três dias. Como foi esse processo?
Bem no começo tivemos enormes provas de roupa. Era com Kristen, Pablo e eu, e nós olhávamos para o filme inteiro e meio que atribuímos ideias e olhávamos para cada figurino. Eu sabia que, por exemplo, há um conjunto de roupas que aparecem expostas para o Natal, mas ela não usa todas.

E então há uma montagem de cenas em que a vemos em diferentes momentos, que também não faz parte de uma história linear de figurinos. Essas foram as roupas que continuei a procurar durante as filmagens.

O interessante para mim foi a mistura do final dos anos 80 com o começo dos 90 e com o tipo de restrição da família real – que por um lado é tão atemporal, mas também um pouco presa entre os anos 50 e 60 e muito menos orgânico para ela.
É exatamente o que esperávamos que fosse acontecer porque, em teoria, todas essas roupas que você a vê usar quando está em sua história oficial meio linear são preparadas para ela, são parte da formalidade da situação. É ótimo que você pegou isso assistindo.

E como vocês fizeram Kristen parecer tão alta? Porque Diana tinha bons 12 ou 15 centímetros acima dela.
Acho que era muito sobre como ela era filmada. Mas estávamos conscientes nas provas de roupa – se mexer em alguma coisa, levantar a cintura, mover o busto, mudar um pouco da proporção das roupas, se isso a alongasse, então faríamos. Não fizemos grandes mudanças particularmente para alcançar isso. Mas evitamos coisas que destacasse o fato de que ela é mais baixa do que Diana.

Houve alguma roupa que Kristen particularmente amou ou odiou?
Ela absolutamente amou a jaqueta bomber da Mondi. Mas, sabe, não posso elogiá-la o bastante. Ela é a atriz mais fantástica de se trabalhar porque é completamente dedicada em se jogar na criação de imagem que você está buscando. E ela está totalmente disposta a tentar qualquer coisa, mas ao mesmo tempo, faz anotações sobre o que ela pensa que vai ou não funcionar. E ela tem um ótimo estilo. Inacreditável! É tão diferente do da Princesa Diana, mas isso mostra o quão talentosa ela é.

Você se sentiu como um tipo de residente britânica – temos um diretor chileno e uma atriz americana que não cresceram com Diana – que estava falando pela história, ou pela Inglaterra, quando se tratava de precisão?
No começo, eu estava um pouco obcecada. Havia uma coisa na Grã-Bretanha nos anos 80, não sei se você já ouviu falar, chamada Sloane Rangers. Diana era como o protótipo Sloane Ranger, então eu falava muito com eles sobre isso, mas no final, não era o filme que estávamos fazendo. Estávamos fazendo o filme do Pablo e da Kristen. Então não senti tanto o peso de ser a única britânica.

Vamos falar sobre o vestido do casamento. Não é muito como o vestido verdadeiro, aquela coisa fofa gigante.
O vestido do casamento! Não está na história principal, apenas na montagem. E não tínhamos dinheiro para fazer o vestido de casamento da Diana para algo que não fazia parte da história principal. Então adaptamos um vestido normal para ser uma aproximação dele.

Não tenho a ilusão de que não há diferenças entre o vestido da Diana e o que fizemos. Mas é meio que o espírito do vestido, em vez de uma réplica exata. Se você não está fazendo The Crown e não está fazendo decisões artísticas sobre o que pode ou não ser alcançado, acho que precisa fazer esse tipo de coisa às vezes.

E o figurino amarelo de marinheiro? Esse tem que ser um dos favoritos.
Esse foi baseado mais ou menos em algo que Diana usou. Ela foi avaliar a Marinha em Portsmouth, acho. Pablo e Kristen amaram a ideia dela usando um chapéu de pirata, então fizemos um amarelo e era um figurino meio flutuante porque não tínhamos certeza se ia caber, mas precisava entrar em alguma cena. Então acho que encontrou seu lugar. [Risos]

Há um vestido que ela usa para um jantar formal no começo com um colar de pérolas que Charles dá para ela como presente, e o figurino inteiro parece com algemas douradas – é tecnicamente deslumbrante, mas ela odeia.
Era clássico e um tanto simples, eu acho. Foi uma escolha de instinto. Era um dos figurinos feito por nós. E as pérolas, sim, exatamente! Eram lindas e opressoras ao mesmo tempo.

Assim como a vida dela.
Sim. [Risos]

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart é capa da revista Entertainment Weekly de novembro e participou de alguns vídeos para o site. Ela fala sobre Spencer e participa da série Bold School onde responde perguntas aleatórias sobre sua carreira. Para ler a matéria e ver as fotos clique aqui.

Passando por Londres para a estreia britânica de Spencer, Kristen Stewart conversou com a BBC e com o DailyMail sobre o filme e sobre sua interpretação da Princesa Diana. Confira as traduções abaixo e o vídeo no link original da BBC:

Kristen Stewart disse que estava tão ansiosa sobre interpretar a Princesa Diana no filme Spencer que ela não conseguiu “abrir minha boca por duas semanas antes de começarmos a filmar.”

A atriz interpreta a falecida princesa enquanto ela passa três dias com a Família Real durante o Natal de 1991, antes da separação do Príncipe Charles.

Stewart contou para a BBC News: “Eu tive disfunção temporomandibular [sua mandíbula não abria] ao ponto em que fiquei completamente travada.”

“Pensei: “Huh, acho que estou realmente nervosa.” Eu estava realmente surtando até começarmos.”

O filme é dirigido pelo chileno Pablo Larraín, que anteriormente dirigiu Natalie Portman até uma indicação ao Oscar por Jackie em 2017, sobre outra mulher altamente famosa, Jacqueline Kennedy.

O diretor disse para Stewart “relaxar e confiar no processo” e se apoiar em sua preparação extensiva para o papel.

A atriz, nascida em Los Angeles, disse que não começou com uma base extensa de conhecimento.

“Eu não tinha um relacionamento muito desenvolvido ou definido com a Família Real em geral”, ela disse. “Não cresci seguindo esse tipo de saga.”

Mas, ela adicionou: “Obviamente vivo no planeta terra e seu impacto foi tão imenso e emocionante, mesmo para alguém que tinha sete anos quando ela faleceu.”

Stewart, que atraiu ótimas críticas por sua performance, diz que pesquisou muito para afundar-se na vida de Diana.

“Eu li tudo, vi cada foto e entrevista que pude colocar minhas mãos,” ela disse para o correspondente da BBC, Lizo Mzimba.

“Eu assisti The Crown, assisti cada interpretação. Só tentei absorvê-la de um jeito emocionante e geral, e então confiei no processo e esperei que ela aparecesse.”

O peso da responsabilidade de interpretar uma figura pública tão emotiva e conhecida significou que Stewart teria que ancorar a interpretação em seus próprios sentimentos, já que existem tantas opiniões sobre a princesa.

“Eu senti que queria protegê-la” ela disse. “Só tinha que não focar na ideia de outras pessoas sobre ela e focar nas minhas próprias. E isso foi tão diferente e específico para mim.”

Stewart diz que fez questão de não desrespeitar a memória de Diana, explicando: “Acho que fazer justiça a ela é permiti-la ser impulsiva. Qualquer coisa dela que eu assistia, seja uma entrevista ou até mesmo uma foto, sempre era imprevisível. Como se você não soubesse o que ia acontecer.”

“E isso é por conta de sua vulnerabilidade e essa emoção crua que ela não pode esconder. Não há um jeito de fazer uma imitação perfeita disso.”

“Você precisa sentir e precisa ser seu. Então acho que eu só tinha que relaxar.”

O filme, que se passa em três dias intensos na residência real de campo em Sandringham, Norfolk, é descrito por Stewart como “um poema de tom tumultuado que também é muito exuberante, maravilhoso e alegre.”

Mostra a princesa em grande angústia emocional às vezes, mas a atriz disse que ainda há exuberância porque “de um jeito estranho, é sobre sua luta para possuir sua própria vida e ter algum tipo de controle, sair do peso que a Família Real obviamente trouxe para ela.”

Stewart admite que o filme é uma “imaginação desse sentimento durante a decisão de deixar a família”, mas adiciona que não sente que isso seja uma “traição” com a princesa porque é “uma interpretação poética de todas as coisas que já sabemos.”

A atriz disse que seus sentimentos pela princesa cresceram enquanto a interpretava, explicando: “Senti tanto amor por ela e ainda sinto… Gostaria de poder perguntar para ela se ela acha que estou fazendo um bom trabalho.”

O filme não deixa de lado os transtornos alimentares da princesa e a luta com sua saúde mental.

“O filme é muito surreal. Penso que quando você passa por um trauma extremo em sua vida, há momentos em que você sente que enlouqueceu. Nunca senti a implicação de Diana enlouquecendo”, disse Stewart.

“Algumas vezes você sente que está lutando com a comunicação, portanto se sente um pouco presa em sua própria cabeça por causa dessa energia amordaçada.”

“E ela falou sobre isso. Digo, era algo que ela falava o tempo todo. Então, para ser honesta, pareceu mais verdadeiro do que a verdade.”

Stewart já está sendo cotada como uma das indicadas para o Oscar do ano que vem – algo que ela acolheu.

“É muito legal, isso nunca aconteceu comigo”, ela disse.

“Fazemos filmes para ter as maiores conversas que pudermos, como uma cultura e uma sociedade. É legal fazer parte disso por um segundo, é divertido.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart disse que a única coisa que a fez se sentir “desleal” enquanto interpretava a Princesa Diana em seu novo filme Spencer foi que, ao contrário de Diana, ela não é mãe.

Stewart disse que sentiu que a Princesa era mais “intocável’ quando estava com seus filhos, William e Harry.

“Ela é como esse animal feroz que você não ousaria abordar”, ela disse sobre a mulher que interpreta no filme de Pablo Larraín, o qual imagina três dias em que a Princesa passou em Sandringham no Natal, no que antecedeu sua separação e eventual divórcio do Príncipe Charles.

Ela adicionou: “Preciso disso para me sentir autêntica.” Foi um tema recorrente durante nossa entrevista por telefone (ela estava em sua casa em Los Angeles). O que me deu uma abertura (ou foi o que pensei) para perguntá-la sobre maternidade.

Nesse momento, ela me pegou de surpresa declarando que estava… grávida. Antes de rir em voz alta.

“Não, não estou… Realmente não estou!” Ela declarou rapidamente, claramente desfrutando do meu desconforto (“Você ficou tipo: “Ai meu Deus!”).

Suspirando, ela continuou: “É a única parte dela que me senti desleal.”

Spencer estreou no Festival de Londres na quinta-feira, com Stewart e outros membros do elenco presentes. No mês passado, assisti a atriz desembarcar graciosamente de um táxi aquático no Festival de Veneza. Essa nova postura foi um legado do treinamento que ela herdou do diretor de dialeto e etiqueta William Conacher, com quem trabalhou em Spencer?

Ela concordou que Conacher é “um artista transcendentalmente talentoso.” Ao longos dos anos, “a autoridade de Diana”, como ela o chama, trabalhou com todas as versões para as telas, incluindo o filme Diana de Naomi Watts e Emma Corrin em The Crown (ela adicionou que ama o trabalho de Corrin).

Spencer foi bem recebido em Veneza, apesar de poucas vozes divergentes.

Stewart está ciente das reações mistas. “Eu definitivamente sabia que as chances de estragar tudo eram bem maiores do que as de fazer um bom trabalho”, ela disse.

“Mas pensei que valeria a pena. Eu trabalho como atriz há muito tempo e é realmente raro encontrar coisas que te fazem sentir desse jeito.” Ela adicionou que entrar nessa mentalidade a impregnou com um “poder meio sinistro.”

Quando concordou com o projeto, Stewart disse que se preparou para “a experiência mais difícil e angustiante” de recriar um dos períodos mais tristes da vida de Diana. Mas um aprendizado totalmente inesperado foi alegria.

Ela tentou explicar. “Ela realmente tinha essa energia prevalecente, encantadora e linda.” As decisões que Diana estava lidando eram “de tremer o chão.” E ainda assim “habitá-la me fez sentir-me mais alta e sentir que podia dançar. Senti seu poder de um jeito muito bonito.”

Eu assisti Spencer em uma tela gigante em Veneza (duas vezes!) e não posso negar que achei Stewart encantadora.

As cenas com os Príncipes (Jack Nielen como William e Freddie Spry como Harry) são delicadas e emocionantes.

Stewart disse que o diretor Larraín queria que o trio fosse como “um animal de três cabeças em uma bolha.” E para que ela pudesse fingir ser mãe deles por alguns dias no set, ela passou muito tempo com seus jovens colegas de elenco.

Stewart passou seis meses pesquisando para o papel.

Acertar no sotaque era crucial. Ela explicou: “Quando estou falando, quase não abro minha boca e tudo termina de forma abrupta.”

Mas a voz da Princesa era “alegre”… e de repente, pelo telefone, ela mudou a voz para a de Diana e a transformação foi extraordinária.

Ocasionalmente no set, se ela se estava se sentindo “alto-protetora, pressionada ou emocionada”, ela escorregava para seu próprio sotaque. E então ela tinha que andar pelo set falando “Argh! Argh!”, assustando o elenco e a equipe, para ter Diana de volta.

Ela não vê similaridades entre sua fama – mesmo durante os anos da Saga Crepúsculo, quando ela era regularmente perseguida por fãs – com a tragédia da Princesa.

“Ela alcançou o planeta inteiro”, ela disse.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart foi a escolhida para receber o Performer Tribute no Gotham Awards de 2021. A premiação que dá início à temporada no dia 29 de novembro homenageia anualmente atores, atrizes, cineastas, filmes e estúdios que se destacam por suas carreiras. Spencer não é elegível para ser indicado nas categorias competitivas por ser tecnicamente uma produção britânica e só poderá ser indicado em Melhor Filme Internacional. Confira abaixo o comunicado oficial para a imprensa:

Kristen Stewart, que está atualmente conquistando burburinhos de prêmios por sua performance em Spencer, e o executivo veterano Eamonn Bowles, que fundou em 2001 e ainda preside a Magnolia Pictures, receberão homenagens especiais no Gotham Awards de 2021.

Na cerimônia em Cipriani Wall Street no dia 29 de novembro, Stewart – cuja interpretação da Princesa Diana, amplamente enaltecida como a melhor performance de sua carreira, não está elegível para as categorias de competição no Gotham Awards porque é tecnicamente uma produção britânica (o filme irá competir na categoria de Melhor Filme Internacional) – será homenageada com o Performer Tribute. Bowles receberá o Industry Tribute.

“Estamos tremendamente orgulhosos de homenagear Kristen Stewart, cuja excelente atuação como Princesa Diana em Spencer marca mais um auge artístico em uma carreira extraordinária que abrange alguns dos filmes de estúdio de mais sucesso e filmes independentes icônicos pelas últimas duas décadas”, Jeffrey Sharp, diretor executivo do The Gotham Film & Media Institute, disse em uma declaração. “Ao assumir consistentemente papéis corajosos e desafiadores em todos os gêneros, Kristen se estabeleceu como uma das artistas mais respeitadas e amadas na comunidade de filmes independentes que representamos no Gotham.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart compareceu ao tapete vermelho da estreia de Spencer no Festival de Londres na tarde de quinta-feira (07). A atriz posou ao lado de Jack Farthing, que interpreta o Príncipe Charles no filme, e dos intérpretes dos Príncipes William e Harry, Jack Nielen e Freddie Spry. Confira fotos, vídeos e entrevistas abaixo:

EVENTOS > PREMIERES > PREMIERES 2021 > (07/10) PREMIERE DE SPENCER NO FESTIVAL DE LONDRES

Kristen Stewart disse que tem consciência de que seu novo filme sobre Diana, a Princesa de Gales, não é explorador e que o projeto vem de “um lugar verdadeiramente cuidadoso e atencioso.”

O filme altamente aguardado chegou no Reino Unido com uma estreia no BFI London Film Festival e a atriz de Crepúsculo, de 31 anos, disse: “Espero que ela esteja assistindo.”

Ela interpreta a princesa em Spencer, que se passa em três dias durante o Natal em Sandringham, após o casamento real ter entrado em colapso.

Dirigido pelo cineasta chileno Pablo Larraín, o filme mostra Diana se preparando para enfrentar a família real durante o período festivo.

Chegando na estreia do filme no festival, Stewart disse que estava ciente de que não iria explorar o legado da falecida princesa.

Ela disse para a agência de notícias: “As pessoas têm tirado dela há muito tempo. Eu a acho generosa, é o que sinto por ela.

Nosso primeiro passo sempre foi com amor e admiração, se não a amássemos, não teríamos feito o filme.

Então, viemos de um lugar verdadeiramente cuidadoso e atencioso, e temos sorte de ter tido a oportunidade.”

Stewart disse que ela também queria injetar momentos de felicidade em sua interpretação de Diana, adicionando: “O único modo de fazer isso corretamente, o que na verdade não era o objetivo final, seria sentir a luz dela.

Acho que meu maior aprendizado foi que mesmo quando ela está em seus piores momentos, e quando ela se sente em desacordo com o mundo com o qual está interagindo, ainda existe algo explodindo em seu núcleo. E sem isso, você não teria sido fiel a ela.”

A estrela admitiu que foi “um pouco estressante” estrear o filme em Londres, onde Diana nasceu, mas adicionou: “Espero que todos estejam felizes.

“Algumas vezes você precisa cancelar o barulho e criar sua própria fantasia. Espero que ela esteja assistindo.”

O filme já gerou um burburinho significante de prêmios para Stewart, que agora é considerada uma provável indicada ao Oscar.

Refletindo sobre como se sente sobre isso, a atriz disse: “Nunca tive isso antes, é incrível.
“Eu adoro que seja em relação a algo que me faz sentir tão bem.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

A atriz americana Kristen Stewart estreou o drama Spencer no Festival de Londres na quinta-feira, dizendo que estava animada para levar sua interpretação sobre a falecida Princesa Diana para o público britânico.

Ela ganhou altos elogios por sua performance no filme. Situado ao longo de três dias, seguimos Diana enquanto ela relutantemente vai para a Casa de Sandringham para as festividades de Natal com a realeza britânica enquanto seu casamento com o Príncipe Charles desmorona.

Dirigido pelo cineasta chileno Pablo Larraín, Spencer foi visto pela primeira vez no Festival de Veneza no ano passado, com algumas críticas anunciando Stewart, que atingiu a fama global com os filmes da Saga Crepúsculo, para uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz.

“Estou animada para trazer esse filme para casa… Nós fizemos com tanto amor. Mesmo se todo mundo odiasse, estaria tudo bem porque colocamos tudo o que tínhamos nesse filme”, Stewart contou para o Reuters no tapete vermelho.

“Nós a amamos tanto e só queríamos entendê-la… Espero que todos amem o filme tanto quanto nós amamos a Diana.”

Spencer mostra Diana cada vez mais isolada dos membros da família real e desesperada para se libertar das regras tradicionais sufocantes. Também mostra seu relacionamento próximo com seus filhos, os Príncipes William e Harry.

“Eu fui influenciada pela confiança ousada do Pablo. Ele literalmente disse: “Acho que você precisa fazer esse filme comigo”, disse Stewart, que também é conhecida por Seberg, Acima das Nuvens e Personal Shopper.

“Eu não consegui resistir à tentação. Ela é muito atraente. Me senti atraída pela Diana.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Durante sua passagem por Londres, Kristen Stewart conversou com o jornal Sky News sobre seu filme Spencer e disse entender o fascínio que o público tem pela família Real e o motivo da curiosidade. Confira o vídeo no link original e a tradução abaixo:

Enquanto especulações sobre se a Rainha assiste The Crown ou não raramente diminuem, como regra, a realeza diz que não assiste ficções baseadas em suas vidas.

Mas isso não impede que os atores se o preocupem sobre como suas performances serão julgadas pela família real e sobre o impacto em seu legado.

Com Spencer, o filme altamente aguardado de Pablo Larraín sobre Diana, Kristen Stewart espera que os Príncipes William e Harry possam perdoar qualquer sensação de invasão (quando se trata de interpretações infinitas na TV e no cinema de sua mãe) por conta do sentimento governante de empatia em como ela abordou o papel. “Sou obcecada por ela – eu a amo muito”, Stewart contou ao Sky News.

“Chegamos aqui com muita curiosidade e eles [William e Harry] aguentaram essa curiosidade mundial durante suas vidas inteiras, então tenho certeza que estão acostumados, mas não é a coisa favorita deles.”

“Dizendo isso, é meio que o trabalho deles e posso me relacionar com isso.”

“Acho que você pode ver em ambos, eles são, vendo de fora, duas pessoas muito diferentes que estão abrindo um caminho. Eu a vejo neles e isso pode soar bem excêntrico – tenho certeza que isso parece loucura para eles.”

O escrutínio que Kristen Stewart enfrentou durante seus anos em Crepúsculo foram em uma escala sem precedentes.

Talvez não no mesmo nível que a Princesa Diana sofreu, mas ainda assim, torna Stewart potencialmente uma das melhores atrizes a interpretar a princesa até hoje.

“As pessoas sempre dizem: “O que? Você não gosta que tirem fotos suas? Você é atriz!” E tipo… não, não pela janela do meu quarto!”

Enquanto Stewart aceita que ela possui um nível de entendimento quando se trata de ser perseguida pela imprensa, a comparação entre sua experiência e a da de Diana é limitada.

“É difícil comparar porque ela era uma representante. O trabalho dela era manter esse ideal. Eu posso cometer erros e tenho escolhas, portanto é claro que as fotos parecem invasivas, mas um pouco menos… Sinto-me muito sortuda por não ter uma responsabilidade de agir de certo modo.”

“Constantemente me fazem perguntas morais em entrevistas, mas não é meu trabalho estar certa ou errada sobre as coisas e ensinar as pessoas. Não sou rainha, não sou princesa – deve ter sido difícil, como o fato de que eles não podem fazer essa escolha.”

Como a atriz mais recente a interpretar Diana, desde Naomi Watts até Emma Corrin, esse provavelmente não será o último filme a ser feito sobre ela, já que o nível de interesse nas “rebeldes” da realeza – seja Diana ou Meghan Markle – continua implacável, talvez porque elas capturam os desafios de serem mulheres que se opõem às autoridades.

Stewart admite que a fascinação está além dela, mas talvez as pessoas amem quem desafia balançar as coisas.

“Existem pessoas que não querem que as coisas mudem. Elas mudam e então todos ficam de lados diferentes. Acho que as pessoas têm curiosidade sobre a família real desde sempre, o tipo de celebridade adjacente de tudo. Também há um desejo por isso… queremos coisas para admirarmos, queremos inspiração e esse é um fardo pesado para carregar.”

“Eu entendo completamente o motivo da curiosidade, é fascinante.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil