Arquivo de 'Cannes'



O USA TODAY falou sobre a passagem de Kristen pelo Festival Internacional de Cinema de Cannes. Confira abaixo:

Marque a vitória final de Kristen Stewart na terça-feira no Festival Internacional de Cinema de Cannes.

Após as vaias que fizeram barulho na primeira sessão para a imprensa pelo filme que ela estrela, Personal Shopper, na segunda-feira  em Cannes, Stewart respondeu de volta com um ataque do glamour que culminou com a estreia no arrebatador tapete vermelho na terça à noite.

Stewart passou pelo tapete em um vestido cheio de penas, trocou seus saltos altos pelos sneakers depois de andar no tapete e fez uma dança feliz antes de entrar no teatro Palais des Festivals para a estreia oficial. A resposta na noite de terça-feira foram saudáveis quatro minutos de aplausos para Personal Shopper, sua mais recente colaboração com o diretor francês Olivier Assayas.

A dupla já tinha minimizado verbalmente as vaias na conferência de imprensa na terça-feira quando Assayas disse: “Quando você vem a Cannes, você está preparado para qualquer coisa realmente. Você só vai com o fluxo.” “Nem todo mundo vaiou. Vamos ser claros,” Stewart acrescentou rindo.  Ela passou a discutir como orgulhosa é da colaboração com Assayas, que a dirigiu ao lado de Juliette Binoche com o sucesso de Cannes em 2014, Clouds of Sils Maria. Pelo papel Stewart ganhou um César de Melhor Atriz Coadjuvante, a primeira atriz norte-americana a ganhar o prêmio do cinema francês. “Há uma chama que ilumina sob o meu (traseiro), que é mais forte que eu já senti”, disse Stewart, ao Assayas na conferência de imprensa em sua franqueza típica, provocando risadas dos jornalistas. A estreia na terça-feira culminou numa semana de turbilhão em que Stewart estrelou dois filmes em Cannes, incluindo o filme de abertura da noite de Woody Allen, Cafe Society. Stewart foi um destaque deslumbrante sobre os tapetes de Cannes durante toda a sua estadia. O diretor do festival Thierry Frémaux chamou Stewart  de “a rainha de Cannes deste ano” (ao lado da atriz francesa Marion Cotillard, que também tem dois filmes). ” (Stewart) é respeitada, porque ela vai para o inesperado e ela sabe como escolher papéis. Ela é capaz de ser uma estrela de cinema ou uma atriz estrelando em filmes de arte”, disse Frémaux. “Nós a amamos muito.”

O sucesso de Stewart quase a permitiu se afastar totalmente do seu passado com Crepúsculo, a franquia de vampiros que a disparou para a fama. Estas perguntas sobre Crepúsculo ainda aparecem, mas com muito menos regularidade.

“É engraçado, a questão sobre Crepúsculo não é realmente algo que me incomoda, não é algo que eu penso sobre, ” disse Stewart, quando perguntada sobre essas ocorrências pelo USA TODAY. “Mas quando eu escuto a pergunta eu totalmente dou um passo para fora de mim e penso: ‘ Eu vejo o que vocês veem. ” Mas para mim isso é um outro filme que eu fiz. Eu estou em cada filme, assim como qualquer outro”. Stewart acrescentou que ela está encantada com a experiência em Cannes. “Eu definitivamente estou me divertindo com isso. Estou absolutamente flutuante “, disse Stewart. “O fato de que eu posso colocar um pouco de minha unha do dedo mindinho para essa parte da história é bastante alucinante. “

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

 

Durante a conferência de Café Society em Cannes, Kristen confessou que adoraria trabalhar com o diretor dinamarquês Lars von Trier. Confira:

Kristen Stewart disse que ela “mataria” para trabalhar com Lars von Trier. Stewart confessou seu amor por von Trier ao The Guardian enquanto discutindo sobre a abertura de Cannes de Woody Allen, Café Society.

Em um evento para a imprensa para Café Society, Stewart foi questionada sobre quais cineastas ela queria muito trabalhar e ela disse: “Eu amo Lars von Trier. É difícil para mim pensar sobre essas coisas e relutante em dizer quem porque essas coisas te seguem. Parece colocar a carroça na frente dos bois. Mas eu mataria para trabalhar com Lars von Trier.”

Desde aparecer em O Quarto do Pânico de David Fincher em 2002, Stewart continou a se alinhar com uma forte coleção de diretores, incluindo o mais recente Woody Allen e Olivier Assayas, que possuem filmes no Festival de Cannes com a atriz estrelando.

O diretor dinamarquês se encaixa: ele é ganhador da Palma de Ouro e indicado ao Oscar, mas ele também é uma das figuras mais polêmicas da indústria, seguindo por suas piada nazistas enquanto promovia Melancolia em Cannes em 2011.

As atrizes fizeram bem ao trabalhar com von Trier: Emily Watson ganhou uma indicação ao Oscar por seu drama Ondas do Destino; Björk ganhou em Cannes em 2000 por sua performance no ganhador da Palma de Ouro, Dançando no Escuro; e também Kirsten Dunst em 2011 por Melancolia.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Durante a press conference de Personal Shopper, que aconteceu na terça-feira, Kristen falou sobre como foi fazer cenas onde aparecia seminua. Confira abaixo:

A colaboração inicial de Kristen Stewart com Olivier Assayas,Clouds of Sils Maria, foi tão bem sucedida que lhe rendeu um César, fazendo dela a primeira atriz americana a receber esse prêmio. Desde a vitória, Stewart se juntou novamente com o diretor francês para Personal Shopper, um filme de terror centrado no mundo da moda e que teve sua premierer na segunda-feira, no Festival de Cannes. E para o projeto, a atriz deu outro passo na direção do cinema mais sério – e um mais distante do cinema para jovens, Crepúsculo – aparecendo parcialmente nua.

Durante a press conference do filme na terça-feira, Stewart foi perguntada sobre essa decisão. E a atriz revelou o porque de aparecer seminua foi importante para aperfeiçoar sua personagem Maureen, uma personal shopper americana que vive em Paris que se isola durante o processo.

“Eu interpreto alguém que está presa em um estado cerebral onde ela não é capaz de… A ideia de ter contato físico com outra pessoa é impossível” Stewart explicou. “Não vai acontecer. Ela fica vagando nisso, e percebe que esse é o lado mais animalesco de si mesma.”

“Eu não estava com medo [das cenas de nudez],” ela continuou. “Eu faria qualquer coisa. Eu realmente aprecio tudo isso. A única forma de mostrar alguém que não consegue ligar os pontos era mostrar as versões extremas de pessoas que tipicamente não andam juntas… O filme é sobre Maureen se encontrando… O filme é sobre uma enorme crise de identidade e eu realmente me senti atraída por isso. Eu queria ser a pessoa mais nua o possível… O único jeito de fazer isso era ficando realmente nua.”

Stewart também disse que estava ansiosa para interpretar um personagem que pode estar do outro lado de sua condição de celebridade – alguém que é capaz de sair para o mundo real e fazer coisas que ela, por causa de sua fama internacional, não é capaz.

As vezes, Stewart disse, ela se sente incapaz de fazer algo simples, como ir até ma loja “logisticamente isso não vale a pena” por causa dos paparazzi que a seguiriam.

“As vezes eu me sinto como se minhas pernas tivessem sido cortadas, não digo que é um sentimento ruim, mas é surreal,” disse Stewart. “Maureen é tão capaz. Ela é incrivelmente  tátil e física, então foi divertido interpretar alguém tão… Capaz.”

Stewart também explicou sua relação de trabalho com Assayas e porque ela gosta de trabalhar com ele tão muito.

“Nós não conversamos muito,”Stewart explicou. “Há uma conexão inegável. Ele desperta essa chama em mim que é mais forte de tudo que já senti. Eu realmente tento navegar pela minha carreira pelo tato e eu o sinto. A ideia de que ele pode ser o catalisador de um processo e realmente me permitir que ele seja meu é uma sensação muito boa, como se você estivesse criando algo com alguém, em vez de satisfazer alguém… É um versão diferente do trabalho. Eu gosto de ambos, mas gosto muito mais desse.”

O filme, que ganhou críticas positivas, recebeu algumas vaias no final – não pela qualidade do filme, mas seus controversos momentos finais. Durante a press conference, Assayas foi perguntado sobre o assunto.

“É interessante porque isso acontece comigo as vezes, quando as pessoas simplesmente não entendem o final,” disse o diretor sobre seus projetos. “Os filmes tem uma vida própria… Nós não tínhamos exibido o filme antes, então não tínhamos ideia de como ele se sairia com o público. É um momento intenso, e eu acredito que seja similar a um parto ou algo assim.”

Assim que ele parou de falar, uma pessoa do elenco brincou: “Agora imagine estar dando à luz com pessoas vaiando ao redor.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

 

O site The Guardian estava presente na conferência de imprensa de Personal Shopper, em Cannes, e documentou momentos do evento em uma matéria. Confira:

A falta de liberdade proporcionada a você por ser famoso parece como se “seus membros fossem cortados fora,” Kristen Stewart contou para a imprensa no Festival de Cannes.

A atriz estava falando na conferência de imprensa para o drama sobrenatural de Olivier Assayas, Personal Shopper. O segundo filme em Cannes que ela estrela (o outro é Café Society, de Woody Allen, que abriu o festival semana passada), em Personal Shopper a vemos interpreta Maureen, uma medium que, durante as horas do dia, ajuda uma modelo com suas escolhas de roupa.

Stewart disse que ela gostou o quão “capaz” sua personagem era e – como alguém que conta muito com assistentes pessoais – disse que invejou a liberdade de Maureen.

“Você se sente tão incapaz de ir em uma loja. Bom, tecnicamente você pode, mas isso logisticamente não vale a pena,” ela disse. “Foi divertido interpretar alguém que era tão capaz. Algumas vezes eu me sinto um pouco como se meus membros tivessem sido cortados fora. Isso não é para dizer que a fama é um sentimento ruim, mas é surreal.”

O filme de Assayas combina uma sátira para a indústria da moda com drama familiar e terror sobrenatural. Maureen está de luto por seu irmão gêmeo, Lewis, que também era um medium. Os dois concordaram antes de ele morrer que o primeiro a ir mandaria um sinal para o outro se a vida pós a morte existisse. Nós nos unimos à Maureen enquanto ela espera pelo contato de Lewis.

Questionada se ela acreditava em fantasmas, Stewart disse que, enquanto ela teve medo deles quando criança, ela tem é incerta sobre a existência do sobrenatural.

“Eu realmente não sei,” ela disse. “Mas eu sou muito sensível. Isso vai ficar ótimo em citações. Eu sou muito sensível a energias. Eu realmente acredito que sou movida por algo que não posso definir e então não posso necessariamente tomar responsabilidade por isso, mas isso me dá o sentimento de que não estamos tão sozinhos.”

Personal Shopper encontrou-se com reações mistas dos críticos após sua primeira exibição em Cannes ontem à noite, com alguns membros da audiência vaiando, a mesma forma de retorno que foi dado a American Honey, de Andrea Arnold, na semana passada. Questionado se a recepção vocal o incomodou, Assayas, um frequentador do festival, riu e disse que ele espera o inesperado em Cannes.

“Os filmes possuem sua própria vida,” ele disse. “O que é emocionante sobre Cannes é que ontem ninguém tinha visto esse filme e hoje está na frente do mundo todo. É um momento muito instantâneo e poderoso. É como dar à luz. As pessoas possuem expectativas sobre como isso será. Você espera qualquer coisa em Cannes. Você segue o fluxo.”

“Imagine se as pessoas vaiassem quando você desse à luz,” brincou o ator alemão, Lars Eidinger, que interpreta o namorado da chefe da personagem de Stewart no filme.

Stewart e Eidinger trabalharam com Assayas antes em seu filme Clouds of Sils Maria. O filme estreou em competição em Cannes dois anos atrás. Stewart, novamente interpretando o papel de assistente pessoal de uma celebridade, se tornou a primeira atriz americana a ganhar o César, o equivalente francês ao Oscar.

“Há uma chama que ele desperta em mim que é mais forte do que tudo o que já senti,” ela diz sobre sua relação profissional com Assayas. “Eu navego minha carreira por sentimento, e eu o sinto.”

Em uma cena central de Personal Shopper, Maureen é incomodada por um stalker virtual desconhecido que a manda mensagens de texto assustadoras. Stewart, enquanto responde uma pergunta sobre a tecnologia moderna com seus pensamentos sobre como é perigoso se desconectar muito do mundo real, foi interrompida por um celular de alguém da imprensa.

“Que diabos?!” ela disse.

Durante a conferência, um assistente – um homem alto e musculoso em um terno escuro – ficou no canto da sala segurando um par de tênis para Stewart usar quando ela estivesse pronta para ir.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Durante sua passagem pelo Festival de Cannes, Kristen concedeu uma entrevista ao BBC News onde fala sobre fama, seu curta e como ela se sente ao estar no festival. Confira:

Há um número de atores e atrizes que estão em Cannes com mais de um filme em exibição ou para promover.

Embora, não são muitos que estão retornando ao festival com um César em sua prateleira, concedido por um filme que causou sua visita ao evento pela última vez.

Stewart veio a Cannes em 2014 com Clouds of Sils Maria, um filme que deu a ela um César, o equivalente francês ao Oscar, no ano seguinte.

Ela está de volta esse ano, não só para bater o tambor para a abertura de Woody Allen no festival, Café Society, mas também para a premiere de seu segundo filme com o diretor de Sils Maria, Olivier Assayas.

Seu papel nos dois filmes não poderiam ser mais diferente. No mais recente de Allen, ela interpreta uma secretária de um estúdio em Hollywood em 1930, que se transforma em uma socialite rica e glamurosa.

Enquanto isso, em Personal Shopper, ela é quem compra os vestidos em seu papel como uma consultora de moda cuja vida é agitada por um stalker misterioso.

Juntos, eles representando um novo capítulo na carreira para uma atriz que era antes conhecida por seu trabalho na série de fantasia Crepúsculo.

Ela admite, “é muito legal” ser acolhida mais um vez no seio de Cannes. “O fato de que há um pequeno lugar para mim aqui, me faz me sentir tão orgulhosa,” ela sorri. “Eu olho para outros atores americanos que tiveram um lugar aqui e todos são pessoas que eu me identifico e idolatro. É um bom grupo para ser parte. Eu amo festivais, mas esse é o melhor.”

Stewart está sendo modesta quando refere-se a si mesma como sendo “grande na França”. Na verdade, a atriz de 26 anos é muito grande em qualquer lugar.

E com isso, vem o lado negativo: a obsessão da mídia em sua vida pessoal e a constante presença de paparazzi seguindo seus movimentos.

Nós falamos rapidamente após Woody Allen dizer para os repórteres em Cannes que a falta de privacidade que alguns atores suportam “não é um problema de risco de vida” e que “as vantagens superam as desvantagens”.

Talvez Stewart, que teve seus relacionamentos documentados em todos os lugares, pensa de uma forma diferente sobre a situação.

“Woody tem 80 anos de idade,” ela diz sobre o diretor. “Ele foi famoso em uma época diferente. Nós tivemos experiências completamente diferentes com a fama e o modo consumimos o reality show que é a indústria do entretenimento. É como se eu tivesse sido escalada para uma história de quadrinhos para uma personagem que está em desenvolvimento por todos menos por mim mesma. Ele possui experiências bem diferentes com os paparazzi e poder sair de sua casa. Ele está certo, ainda vale a pena, mas não é tão simples assim.”

Talvez sejam as armadilhas, boas e ruins, que chegam com estar em frente das câmeras que fez Stewart querer estar por trás.

“Eu escrevi um curta há alguns anos atrás e essa é a hora certa para fazê-lo,” ela confirma. “Eu consegui financiamento recentemente e vou fazer em junho ou julho.”

Apesar de estar relutante para falar mais sobre um projeto pessoal que ela espera que “falará por si próprio”, Stewart expressa um desejo forte de ser um para-raio para talento.

“Quando a energia certa vai para um projeto, é como segurar esse objeto frágil que é muito precioso,” ela explica. “Isso é o que eu quero fazer. Eu quero ser o catalisador.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

45678