Kristen Stewart conversou com o Yahoo Entertainment sobre como foi trabalhar pela primeira vez com um coordenador de cenas íntimas em Love Lies Bleeding. O assunto se tornou um tanto controverso em Hollywood nos últimos anos, mas a atriz revela ter gostado. Leia:

Kristen Stewart gostou de ter trabalhado com um coordenador de cenas íntimas em seu novo filme Love Lies Bleeding, dizendo ao Yahoo Entertainment que ela credita ao cargo a eliminação do tipo de cenas de sexo “vale-tudo” que encontrou em seus filmes anteriores.

A atriz de 33 anos estrela ao lado de Katy O’Brian, de 35 anos, no thriller romântico dirigido por Rose Glass. O filme recebeu críticas positivas desde a estreia no Sundance Film Festival em janeiro com os críticos destacando a química elétrica entre as duas. Enquanto Stewart disse que as cenas de sexo com O’Brian deixarão as pessoas chocadas, ela dá créditos ao coordenador de cenas íntimas que ajudou as cenas parecerem reais — e “quentes”.

Em Love Lies Bleeding, Stewart interpreta Lou, uma gerente de academia que se apaixona por Jackie, uma ambiciosa fisiculturista (interpretada por O’Brian) que está de passagem pela cidade. As duas têm várias cenas íntimas que darão o que falar. O papel de um coordenador de intimidade é algo controverso em Hollywood, mas O’Brian diz que foi “legal” trabalhar com um.

“Foi libertador”, ela conta ao Yahoo. “Eu sei que as pessoas pensam que restringe o que você pode ou não pode fazer, e não foi o caso.”

“Não, eu gostei”, adiciona Stewart. “É quase como ter uma conversa honesta sobre o que vocês querem para que o sexo possa ser bom.”

Essa nem sempre foi a experiência de Stewart com cenas de sexo.

“Sempre fui meio que jogada nas cenas de sexo”, conta Stewart ao Yahoo Entertainment, acrescentando que ela não estava muito familiarizada com o papel que um coordenador de cenas íntimas desempenhava em um set antes desse filme.

“Todas as cenas são assim: os personagens começam a se beijar, talvez alguém diga algo, eles caem e começam a fazer amor. Então você pensa: ‘Legal, então é vale-tudo, né? Tipo, ninguém sabe onde é que isso vai dar?’ Não fizemos dessa forma”, diz ela.

“Há uma precisão na cena, uma verdadeira dinâmica de poder acontecendo, e então, para isso transparecer e a cena não ser nós duas dando uns amassos, foi dirigida de uma forma muito limitada.”

De acordo com o SAG-AFTRA, um coordenador de cenas íntimas é “um aliado, um elo de ligação entre os atores e a produção, e um coordenador de movimentos e/ou coreógrafo em relação à nudez, simulação de sexo e outras cenas íntimas e superexpostas.”

Stewart diz que tem sorte de estar em um ponto de sua carreira em que pode fazer os filmes que quer, não os que precisa.

“Eu li o roteiro e achei muito ousado, assustador, engraçado, sensual e um filme que parecia ser de uma época diferente”, diz ela.

Embora Love Lies Bleeding seja de uma época diferente, nos anos 80, algo em relação a contar essa história queer chamou a atenção dela.

“Nos anos 80, havia audácia e coragem. Não sei, não era coragem, só uma intensidade que perdemos um pouco. Como se nossas arestas tivessem ficado um pouco cegas na tentativa de sermos mais atenciosos e legais uns com os outros, o que apoio. Mas também somos monstros porque somos humanos”, diz ela. “É importante fazer filmes sobre pessoas, especialmente pessoas queer, que não estão estritamente ensinando lições e tentando ser boas o tempo todo, como uma bússola moral. Então achei esse filme bom e divertido.”

Stewart se assumiu publicamente no Saturday Night Live em 2017 e aceitou ser um exemplo para muitas pessoas da comunidade LGBTQ.

“Eu nem sabia o que o filme seria”, diz ela. “Apenas achei que a cineasta era alguém que eu deveria apoiar e por isso que o fiz.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil