Kristen Stewart conversou com o GMA Network durante a divulgação de Happiest Season e falou sobre sua própria experiência ao se assumir, sobre o Natal e família. Confira:

Nesse filme, os pais não fazem ideia de que sua filha é gay. Você pode compartilhar conosco como foi se assumir para seus pais?
O que eu amo sobre esse filme é sobre como defende a variação de histórias de revelação – que todos tem uma experiência diferente com isso. A minha foi bem única nos termos de que não lidei realmente com isso. Não quero que isso soe errado, mas eu realmente não liguei sobre como ia afetar todo mundo e nunca tive um momento em que realmente me assumi. Apenas me apaixonei por uma mulher pela primeira vez.

Não foi esse sentimento de alívio, foi realmente mais surpreendente. Senti que minha vida estava se abrindo de um jeito que eu nunca havia considerado realisticamente. Então, em vez de dizer aos meus pais, ‘Hey, queria contar uma coisa para vocês, odeio ter que avisar que…’ [Risos] Eu não penso nisso nesses termos porque tive muita sorte, porque não pensei que era uma coisa ruim. Então, foi como se houvesse uma pessoa nova na minha vida. Dito isso, eu não contornei todo o desconforto em termos de identidade e sexualidade. Crescer onde eu cresci na época em que eu cresci, acho que você teria que ter menos de 20 anos de idade e viver em uma cidade dos Estados Unidos para realmente sentir. Acho que você precisa ter 15 anos e viver em Nova York ou Los Angeles ou uma cidade metropolitana para se sentir verdadeiramente intocado pelo julgamento malicioso.

Estou certa de que cresci pensando que isso não seria o que eu teria escolhido, ser lésbica é mais difícil, nojento e estranho. As pessoas pensam que é nojento e estranho. Na escola pensam que é estranho. Não há uma maneira de contornar isso. Então, eu me relaciono com o sentiment de ser diferente e no filme ser confiante com isso, porque acho que Abby realmente se conhece e ela quer ajudar Harper a desestigmatizar esse sentimento. Mas ao mesmo tempo, não é um sentimento popular se sentir tão confortável quanto eu me senti e eu sei como é conversar com alguém que se sente diferente. É incontrolável e eu diria que metade do país não se sente desse jeito, sendo otimista. [Risos]

Então, é difícil dizer que eu não tive uma história de revelação enquanto vivemos no mundo em que vivemos, mas tudo bem. Eu contei para meus pais que eu tinha uma namorada, estava apaixonada por ela, era uma coisa nova e eu realmente senti esse próximo passo na minha vida onde tudo se abriu. Não parecia que eu tinha percebido algo e descarregado.

Nesse filme, você está pronta para propor casamento para sua namorada. Você já pensou em casamento? É algo que você consideraria?
Sim. Eu gosto de tradições, declarações de qualquer tipo. Amo uma grande declaração. É engraçado, a melhor coisa da vida é saber de algo, porque realmente nunca acontece e é um sentimento raro quando você tem certeza de alguma coisa e fincar uma estaca no chão desse jeito é algo que acho atraente.

Dizendo isso, tenho sentimentos complicados sobre a natureza santimonial de tudo isso. Eu diria que casaria do meu próprio jeito, mas não necessariamente faria isso. Você pode se prometer para alguém na frente de várias pessoas e não fazer isso do jeito que foi apresentado para você durante sua vida inteira. Mas ainda me sinto inspirada pelo compromisso de tudo isso.

O casamento inclui filhos? Um lar tradicional?
Quatro paredes, uma porta forte, uma lareira para te manter aquecido. [Risos] Sim, é claro. Claro, eu quero uma família, absolutamente. Quero todas as coisas que pessoas normais querem.

Se assumir não foi uma grande coisa para você ou seus pais, mas foi para seus parceiros de negócio? Você precisou acalmá-los?
Não levo crédito por esse momento. Realmente era eu como indivíduo crescendo com o tempo e senti que não havia jeito – primeiramente, eu não estava vivendo no armário. Eu sempre segurei a mão da minha namorada em público e contei para meus pais – mas eu não gosto de contar coisas muito pessoais para pessoas em entrevistas porque parece que vão pega-las e vender por dinheiro.

Tipo, com licença, isso é meu e eu só percebi isso quando olhei para cima. Foi uma mudança de vida dizer isso e eu não percebi que não havia dito ainda, entende? Me senti indignada também. Fiquei tipo, estou completamente assumida. Eu beijo minha namorada na rua o tempo todo. As pessoas tiram fotos todos os dias. Sou obviamente gay, mas havia algo sobre dizer isso que estava sendo ouvido e colocado em uma plataforma assim, então é incrível se isso dá coragem para as pessoas, sou assumida e é ótimo.

A diretora vê esse filme como um de Natal, não muito como um filme gay. Então, como você comemora o Natal? Quais são suas tradições?
Não moro com meus pais desde os 17 anos, mas sou obcecada com a árvore porque quando eu era mais nova, se eu não fizesse acontecer, não iam decorar até a véspera do Natal, que eu sei que é a tradição para algumas pessoas. Mas eu quero ver a árvore decorada por um mês. Eu quero sentar perto dela e aproveitar por mais de uma noite. Então, sempre fui eu quem enfeitava.

Agora eu que tenho as decorações de Natal da minha família. Elas ficam na minha casa porque eu sou a única obcecada com a árvore. Eu gosto de decorar sozinha. Não tenho que ir comprar um monte de bolas, cresci com cada coisa que coloco na minha árvore. Eu tenho as decorações desde muito criança. É a minha parte favorita. O Natal começou e eu gosto de um mês disso.

Como você planeja celebrar esse ano?
Todo Natal eu como comida tailandesa porque moro perto de Thaitown e é o único restaurante aberto. Para ser honesta, meus planos esse ano são estranhos porque você não pode ver ninguém, mas vou ver minha mãe. Vamos fazer os testes antes porque há muitos lugares para fazer testes em Los Angeles agora. Provavelmente vai ser difícil nesse dia, mas vou para a fila fazer isso.

Minha família é um grupo misturado. Nós ficamos na cozinha, comemos e talvez trocamos presentes. Não é mais sobre os presentes, é só sobre ficar no mesmo lugar na mesma hora e falar oi. É engraçado o que faz o Natal ser diferente. É literalmente essa coisa onde você acorda e ‘Meu Deus, é Natal. É Natal agora.’ E o dia fica diferente, todos os passos são diferentes. Coisas pequenas fazem isso ficar especial. Mesmo que seja diferente esse ano, elas estarão lá.

Qual você acha que é sua maior vocação?
Eu quero ser cineasta, quero fazer filmes. Realmente há essa direção fanática na minha vida e não imagino me afastar de contar histórias através do cinema, mas ao mesmo tempo, essas experiências sempre me levam para as experiências mais pessoais que já tive e tudo o que descobri na minha vida foi através do cinema. Realmente quero continuar fazendo isso, mas quem sabe aonde isso vai me levar.

O que você faz para melhorar seu bem-estar e dizer adeus para as vibrações ruins?
Eu amo kickboxing, amo meus cães. Sou uma pessoa muito otimista, sou muito positiva naturalmente. Obviamente, nem sempre é fácil, especialmente recentemente com o medo que tomou conta desse ano, foi muito intenso, e eu achei interessante como meu corpo reagiu a isso. Eu tive mais ansiedade quando era mais nova. Não dormia muito bem. Estou dormindo melhor agora. Tenho sorte de estar em uma época tão horrivelmente intensa. Me sinto ótima pessoalmente. Digo isso completamente ciente do mundo em minha volta.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil