Kristen esteve presente no Festival de Zurique para a premiere de Seberg e para receber o prêmio Golden Eye, homenagem do festival para algumas estrelas selecionadas. Por isso, Kristen participou deu ma conversa de 40 minutos com fãs e jornalistas e agora foi a vez da revista IO Donna compartilhar sua perspectiva da conversa, confira:

Crepúsculo comemorou dez anos. Você quer compartilhar uma lembrança da saga?
Impossível. Minha mente perdeu muitos para escolher um. Fiz cinco filmes e foi como ir para o ensino médio. Como você escolhe um momento do ensino médio?

Você ainda ouve sobre Robert Pattinson?
Claro, Rob é louco e estou orgulhosa de como está sua carreira e muito feliz por ele ter sido escolhido como Batman.

E os outros membros do elenco?
Não temos grupo no Whatsapp, seria uma loucura, mas eu sempre gosto de vê-los quando possível. Com Taylor Lautner, por exemplo, de tempos em tempos nos encontramos em Nova York.

Os vampiros vegetarianos de Stephenie Meyer mudaram sua vida. Você esperava isso?
Os livros eram famosos, é claro, mas ainda não haviam entrado na cultura pop. Eu me aproximei do roteiro como um dos muitos, me pareceu interessante e tentei de maneira natural… até que obviamente tudo deixou de ser “normal”.

Qual é o seu relacionamento com Bella?
A história é vista de sua perspectiva; portanto, é uma experiência tão imersiva que você a faz sua própria, de uma maneira visceral. Naquela época, eu era pouco mais do que adolescente e entendia o que ela sentia, sua confusão, seus primeiros impulsos sexuais, o despertar do seu corpo e também o julgamento das pessoas que lhe dizem que tudo isso está errado, mas você acredita mesmo assim.

Hoje você tem uma percepção diferente no set, não é?
Eu sou a mesma chata de sempre, cheia de ansiedade e apreensão, apesar de agora confiar mais nas minhas habilidades e tentar me colocar nas condições perfeitas para obter um certo resultado.

E antes disso?
Me torturava, criava pressões e expectativas absurdas. Hoje eu posso estar mais relaxada, então provavelmente vou viver mais já que o estresse diminui a vida.

Você atua desde criança, então obviamente gosta da pressão do set…
Na realidade, a mera idéia de subir ao palco quando criança me deixava louca; eu era muito tímida e insegura, mas assistia muitos filmes em casa. Meus pais trabalharam na indústria, meu pai como diretor assistente e minha mãe revisava os roteiros, então eu queria dar minha contribuição nos sets. Logo, percebi que uma criança só podia atuar e eu o fiz.

Não parece o fogo sagrado da arte, não é?
Mais do que tudo, eu estava procurando uma desculpa para não ir à escola e achei isso na atuação.

Você começou com Panic Room. Como era Jodie Foster?
Ela me dava medo. Eu não a conheci imediatamente, fiz duas semanas de ensaios com Nicole Kidman e, em seguida, nas filmagens, Jodie chegou ao set. Para mim, era natural me sentir como filha dela, ela era louca e eu passava um tempo olhando como ela se comportava.

Como?
Ela foi a primeira estrela de cinema com quem eu já trabalhei, uma profissional que adora o trabalho em equipe e que me ensinou como me comportar. Admiro sua integridade e também o lado divertido de sua personalidade.

Ela não parece má.
Na verdade, ela não é. Na minha carreira, fiz muitos filmes dramáticos, mas felizmente essa louca da Elizabeth Banks entendeu que em mim existe um lado cômico e engraçado, um tanto desajeitado. Ele me disse que queria trazer As Panteras de volta à vida e eu pulei no projeto não apenas porque sou fã dela, mas porque ele teve a ideia maluca de pensar em mim para um papel.

O que devemos esperar do filme, que chegará à Itália em janeiro?
A história não se volta para habilidades de super-herói, mas se concentra na solidariedade feminina, em mulheres inteligentes, mas um pouco brega e exagerada. Minha personagem tem um instinto protetor em relação às outras e é uma daquelas pessoas que levariam uma bala por outros. É um pouco louco, mas será emocionante.

No lado oposto do espectro de suas obras estão os dois filmes com Assayas. Vocês voltariam a trabalhar juntos?
Imediatamente. Ele é tão imprevisível. Em suma, um louco, um gênio, o melhor. Suas habilidades me dominam principalmente porque parece que as histórias fluem nele inconscientemente, quase religiosamente. Ele não tem ego, fala muito pouco e, juntos, parecemos um par de esquisitices, cada uma à sua maneira. No set, ele deixa você o tempo todo, ele não planeja tudo e ainda assim consegue o que quer.

Como você veio para dar vida à diva Jean Seberg?
Mérito de Cate Blanchett. Durante os dias de jurados no Festival de Cannes, ela me contou sobre o diretor Benedict Andrews e, portanto, não perdi essa oportunidade. Ele é tão protetor desse ícone e tão metódico que me intrigou.

O que você descobriu sobre ela?
A princípio, ela tem uma energia e um brilho que se extinguem, quase sufocados, o que me intimidou bastante. O fato de seu ativismo a levar ao alvo do FBI e depois a uma morte prematura me impressionou bastante.

Ela também experimentou uma invasão de privacidade maciça, embora diferente. Você perdeu sua fé na humanidade?
Absolutamente não, permaneço sempre uma idealista incurável que persegue o coração das histórias para poder contar honestamente.

Uma última curiosidade: quem faz as tatuagens?
É uma bagunça de imagens, vamos encarar, porque eu não vou a tatuadores famosos ou especialistas, mas eu decido o momento, tomada por instinto e de repente, e o resultado é esse, mas eu gosto agora e tudo bem.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil