Kristen Stewart, Naomi Scott, Ella Balinska e a diretora/roteirista e também estrela do filme, Elizabeth Banks, estão na capa da edição digital da Entertainment Weekly, que inovou de vez e soltou todo o conteúdo da sessão de fotos em gifs! Confira:

A primeira cena de perseguição acontece com apenas 30 minutos no novo As Panteras. É uma parte que poderia facilmente se encaixar no mundo de Bond ou Bourne – um veículo armado equipado com o que só pode ser descrito como uma uzi, e uma motocicleta aparece na traseira. Balas são trocadas, algumas delas são mortais. O cenário é Hamburgo, na Alemanha (após uma cena pré-créditos no Rio). Mas então as espiãs se juntam em um campo vazio, esperando por sua treinadora, e a coisa toda termina em… um abraço.

”Eu exigi que tivesse abraços no filme,” diz a roteirista e diretora do filme Elizabeth Banks, 45 anos, que também interpreta a Bosley que administra o abraço em questão. ”É isso que diferencia As Panteras de James Bond, Jason Bourne, Missão: Impossível. É isso que você faz na versão feminina desse filme que te atrai porque parece real. É real. Eu choro no trabalho.”

Banks está na sessão de fotos da EW em Los Angeles, sentada em um sofá ao lado de suas três estrelas: Kristen Stewart, Naomi Scott e Ella Balinska. No que provavelmente foi um movimento totalmente inócuo, mas de alguma forma completamente significativo, ela permanece vestida toda de branco com a roupa que a estilista escolheu para ela enquanto as outras se transformaram para várias formas de confortável. Ela é assustadoramente impressionante – seu conhecimento do cânone de As Panteras é nada menos que enciclopédico – e também claramente o coração desse projeto. Por um breve segundo, é possível acreditar que isso pode se tornar uma sessão de terapia em grupo (”Eu choro no trabalho também!”) antes de lembrarmos que temos um trabalho a fazer.

Nessa instalação da franquia, onde Banks explica que começou em 1976 como um Filme da Semana de duas horas antes de receber o sinal verde para uma série de televisão da ABC por cinco temporada, estamos entre um reboot e uma sequência. A ideia apareceu de um item no set de um episódio: uma placa nos escritórios da Agência Townsend que listava escritórios satélites no Havaí e em outros lugares. Quando Banks começou a pesquisa para o roteiro, ela se perguntou sobre essas bases (”Eles filmaram alguma parte da série no Havaí, o que eu acredito que foi só para colocá-las em biquínis,” ela brinca) e como seria uma Agência Townsend internacional 40 anos depois. Sua versão em 2019 responde a pergunta.

É claro no trailer: Esse é um suspense de espiões global. Naomi Scott é Elena, uma programadora no comando de lançar uma nova fonte de energia sustentável que pode virar uma arma se colocada nas mãos erradas. As Panteras Sabina (Kristen Stewart) e Jane (Ella Balinska) recebem a tarefa de protegê-la enquanto ela tenta delatar as Indústrias Brok, e a recebem como Pantera quando o caso fica muito mais complicado. É ambientado no mesmo universo das outras instalações, e usa muitos dos mesmos temas (”Bom dia, Charlie!”), mas Banks também sabia que ela teria que deixar alguns elementos para trás. Em vez das cenas de abertura na versão de 2000 de McG que servia como biografias para Natalie, Dylan e Alex (interpretadas por Cameron Diaz, Drew Barrymore e Lucy Liu, respectivamente), o filme inteiro é uma história de origem.

”Eu sentia que aqueles começos eram uma forma de pedir desculpa pelo fato de que essas mulheres estavam fazendo um trabalho que você não estava acostumado a vê-las fazendo,” ela diz. ”18 anos depois, eu não preciso explicar como ela conseguiu suas habilidades. Como público, nós aceitamos que mulheres podem fazer qualquer coisa.”

Cinco anos atrás, dentro dos escritórios corporativos da Sony Pictures, os executivos perceberam que a indústria estava se transformando para um modelo de franquia – vamos reconhecer e passar rápido pelas claras questões existenciais que isso apresenta para a indústria do cinema – e avaliou seu próprio catálogo de marcas amadas para minerar para uso futuro. As Panteras foi um vencedor claro de acordo com Doug Belgrad, um dos produtores do filme que era presidente do Sony Pictures Motion Picture Group na época. Também ficou clara a necessidade da franquia ser liderada por mulheres, finalmente. Banks foi a primeira escolha, uma decisão feita em parte por seu trabalho em A Escolha Perfeita 2, diz a produtora Elizabeth Cantillon: ”Ela traz a experiência de alguém que criou um cinema de destino sobre mulheres.”

Banks escreveu o papel de Sabina para Kristen Stewart, sabendo que sua personagem seria A Engraçada – ela também sabia que teria que emprestar sua experiência na comédia para ajudá-la a chegar lá. Depois veio Jane, a mais treinada das espiãs (a personagem é ex MI6), interpretada por Balinska, uma novata na atuação mas a lutadora com mais experiência do elenco.

”Jane sempre seria a mulher heterossexual dessa dupla,” Banks explica, antes de Stewart adicionar ”literalmente!” com uma risada. (Talvez o timing de comédia não tenha vindo de sua diretora no final de tudo.)

Scott explica que Elena está experimentando as idiossincrasias da Agência Townsend e sua nave espionagem pela primeira vez – útil considerando que grande parte da Geração Z não conhece a franquia da mesma forma que a geração do milênio – e também serve como substituta para o público, reagindo à trama da maneira que todos nós. (”É como ter alguém em um filme terror que não vai para o andar de cima quando estão sendo perseguidos pelo assassino,” adiciona Stewart). Scott interpretou a Princesa Jasmine no sucesso de 1 bilhão de dólares da Disney, Aladdin, mas quando estavam procurando elenco para As Panteras, o remake ainda não tinha chegado aos cinemas. Banks convenceu um amigo a mostrar Aladdin antes para ela, e então trouxe pequenas amostras de sua performance para convencer a Sony a colocar Scott no papel. (”É assim sempre,” diz Scott pacientemente.)

Em comparação com os filmes de 2000, esse é muito maior – a tecnologia (a comunicação vem em forma de tatuagens muito avançadas), o armamento (existem armas dessa vez), a moda (muito brilho), a Agência – exceto pela ausência óbvia de Cameron Diaz, Drew Barrymore e Lucy Liu. Os fãs refletiram sobre a aparente discrepância entre o uso de A-listers e a versão de 2019 contratando novatas (ou, no caso de Scott, relativamente novata.) Também se parece mais com a Hollywood igualitária que tantas pessoas gostariam de ver.

”Os filmes que foram feitos na Sony 20 anos atrás são uma grande sombra,” reconhece Belgrad. ”Você tinha três grandes atrizes, duas das maiores do mundo. Nós amamos nosso elenco e achamos que elas são frescas e animadas e todas as três possuem um grande poder – o estúdio precisou apostas.”

De volta para a sala de entrevista, o elenco parece ter estabelecido um relacionamento de irmãs – o tipo de dinâmica de família que você pode sentir imediatamente. Stewart é a líder: claramente entusiasmada e apaixonada por esse filme, rápida para responder pelo grupo como se (sendo a veterana que é) já estivesse antecipado as perguntas que vai receber. Balinska é quieta e pensativa, Scott é bem humorada e calorosa. Elas possuem o hábito de se intrometer na frase da outra para elogiar ou encorajar (”É incrivelmente adorável”, Stewart diz sobre a reação facial de Scott em um ponto) e possuem prática em irritar uma a outra enquanto Banks permanece sem preocupação. Chega um momento em que Stewart e Scott começam a brigar – uma briga verbal bem humorada sobre quem teve a ideia de colocar Ariana Grande cantando o tema do filme primeiro que se torna uma briga física bem humorada – enquanto sua diretora continua a analisar a trilha sonora de Pantera Negra por cima de gritos de ”Eu vou te matar!” Ela claramente já fez isso antes.

Banks queria que seu filme apresentasse três mulheres desconhecidas e, em seguida, levasse o público à medida que, ao final, elas se tornassem uma equipe. ”Quando você ganha, você pode sentir a satisfação de ficar próxima de alguém,” adiciona Stewart. ”A melhor coisa do mundo quando eu conheço alguém é a primeira vez que eu digo, ‘Você é meu.’”

Ela também pretendia fazer, inerentemente, um filme de mulher. Não um filme para mulher, mas usando seus pontos fortes femininos para criar um projeto que somente uma mulher poderia. Ela menciona, com sarcasmo óbvio, roteiros masculinos que mudam de gênero, escalam uma estrela feminina e chamam de empoderamento (“Você chegou no final, ou só colocou a Angelina Jolie para interpretar esse papel que o Tom Cruise não queria?”).

Há também a questão gritante do olhar masculino.

Esse olhar é inerente na história de As Panteras. A franquia chama por mulheres bonitas vestindo roupas bonitas, e a Agência Townsend extrai a feminilidade pelo poder contra homens maus que se comportam mal. O ponto principal é que as mulheres são observadas – mas enquanto os homens observam, as espiãs estão se reunindo. Com esse fato, a versão filmada por uma mulher sempre será diferente de uma versão filmada por um homem. As diferenças entre as versões dos anos 2000 e a de 2019 são sutis, mas podemos ver rapidamente a diminuição de cenas focando nas bundas. É como se a versão de 2019 dissesse para a câmera de 2000: ”Hey, meus olhos estão aqui em cima.”

”Eu sinto que as pessoas não querem mais ver isso,” diz Balinska. ”O que as pessoas querem ver são mulheres inteligente, treinadas, emotivas, poderosas, fortes e engraçadas que ganham, perdem, riem, falham, e entendem das coisas.”

É fácil olhar com uma visão atual para as cenas nuas de Drew Barrymore ou a ocasião onde a câmera vai de cima a baixo na cueca de Cameron Diaz, quase como se estivesse tentando filmar sua genitália. Mas essa equipe que as estrelas estavam a bordo da ideia o tempo todo – que elas foram empoderadas no filme e naquelas imagens. ”A Drew produziu aqueles filmes e elas estão confiantes e felizes nos papéis,” discute Stewart. ”É contagiante. Você as assiste e pensa, ‘Oh, sim, vou dançar de calcinha.’”

Quando As Panteras chegar aos cinema, estará contra The Report, com Adam Driver no papel principal e queridinho da temporada de premiações sobre a investigação de tortura do Comitê de Inteligência do Senado, e Ford v Ferrarri, um filme de corrida de prestígio muito masculina, estrelado por Matt Damon e Christian Fardo. Não importa o quanto sejamos otimistas sobre a trajetória da mulher em Hollywood, a história desse fim de semana de abertura será focado na bilheteria no final. Cinco anos atrás, o futuro de cada diretora ficava na balança com cada filme liderado por mulheres. Hoje, não é tão extremo, mas ainda existe a pressão em Banks para entregar uma boa bilheteria, sem mencionar a pressão nos jornalistas para perguntar sobre a pressão para entregar uma boa bilheteria.

”Aqui está como me sinto: Sinto que não existe um bom jeito de responder essa pergunta,” ela diz. ”Esse filme é a solução para um problema, mas nós não somos o problema. E se você quer investigar o problema, você deveria perguntar para o problema. Então ligue para todos aqueles homens e pergunte para eles, ‘Por que vocês não nos deixam fazer esses filmes e por que vocês não nos dão dinheiro o bastante?’ Eu adoraria saber a resposta.”

É retórica? Talvez. Mas nós também adoraríamos saber a resposta. Nós adoraríamos saber o motivo pelo qual apenas 12 dias depois que As Panteras estrear, Melina Matsoukas estará estreando somente seu primeiro filme (Queen & Slim) apesar de já ter dirigido para a Beyoncé várias vezes. Ou por qual motivo Greta Gerwig é somente a quinta mulher na história do Oscar a ser indicada a Melhor Diretora.

“As mulheres ainda têm tanto escrutínio,” adverte Cantillon. “O escrutínio é muito maior, as oportunidades são limitadas [comparadas aos homens]. Há muita conversa sobre isso e espero que isso esteja nos movendo na direção certa, mas ainda não estamos lá. Temos um grande filme comercial dirigido por uma mulher, produzido por uma mulher e alguns grandes caras, e estrelando mulheres, e espero que tenha sucesso.”

De qualquer maneira, o que é notável é que As Panteras vai finalizar um ano marcado por Capitã Marvel, Booksmart e Hustlers – filmes que não apenas evitam escrever mulheres da maneira que você escreveria homens… todos são melhores precisamente porque só poderiam ser sobre mulheres.

O que nos leva de volta para aquele abraço, e para a cena chave no meio do filme que deixa uma das principais chorando também. Isso torna óbvio o quão emocionalmente reprimidos são os filmes de espião masculinos em comparação. É tanto que precisamos pensar se é possível ser um bom agente secreto quando você não pode falar sobre seus sentimentos.

”De jeito nenhum somos mais fortes não reconhecendo nossas emoções,” diz Stewart. ”Isso é uma fraqueza.”

Afinal, James Bond só consegue encontrar seus alvos depois de se encontrar.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen Stewart, Ella Balinska e Naomi Scott visitaram o Good Morning America na manhã de hoje (06) para conversar sobre o filme. As meninas falaram como aceitaram o projeto, como foi trabalhar com Patrick Stewart e mais. Além disso, um novo clipe do filme foi revelado. Confira a entrevista traduzida por nossa equipe:

As Panteras estampam a capa da V Magazine
04, nov
postado por KSBR Staff

Com a estreia de As Panteras se aproximando, Kristen Stewart, Naomi Scott e Ella Balinska estampam a capa da V Magazine com uma sessão de fotos exalando sensualidade e uma entrevista muito divertida entre elas. Confira as fotos e a matéria traduzida por nossa equipe.

PHOTOSHOOTS > PHOTOSHOOTS 2019 > V MAGAZINE

As mais novas recrutas da franquia feminista-utópica As Panteras, Kristen Stewart, Naomi Scott e Ella Balinska trazem músculos sérios para a maior ação-comédia do verão.

Na entrevista, elas falam com inteligência sobre suas personagens superempoderadas, o que inclui uma dedo duro de uma empresa de tecnologia, uma humanitária durona, e a primeira heroína queer da Agência Townsend.

Naomi Scott: Oi Kristen! Primeira pergunta… Como você se envolveu com o filme?

Kristen Stewart: [Risos] Bom, você já sabe sobre isso. Tipo, por que você está me fazendo essa pergunta estranha que você já sabe a resposta?

NS: Na verdade, eu não sei!

KS: Você realmente não sabe? Ok, bom, alguns anos atrás, a Liz [Banks] e eu nos conhecemos em uma festa no Festival de Veneza – ela estava no júri e eu tinha uma filme lá. Eu estava com o Nicholas Hoult, que é muito divertido, então nós estávamos, sabe… dançando. Não é uma coisa comum para mim, como você sabe.

NS: Oh? Eu pensei diferente… [Todas riem]

KS: Certo, então ela me viu no momento que eu já estava sem energia. Era tarde, mas não era porque eu estava cansada. Eu estava… sabe quando você está dançando e de repente você pensa, ”O que estou fazendo?” Eu tinha saído do meu corpo, aquela perspectiva de ser flagrantemente autoconsciente. Poderia não ter sido óbvio, mas ela veio até mim e disse, ”Hey, calma, apenas se divirta…” Ela viu, mesmo que a gente nunca tenha se encontrado antes. Ela basicamente disse, ”Todo mundo é um idiota, também. E mais, você é maravilhosa e eu te amo.” Então nós nos tornamos fãs uma da outra naquele momento. Estar visível para alguém, e essa pessoa te destacar desse jeito, nesse tipo de ambiente, é como um ato de ternura. E subsequentemente, ela me falou sobre a ideia de fazer um novo filme de As Panteras, com o roteiro muito diferente. Ela disse, ”Eu não sei exatamente o que vai ser, mas sei que quero sua energia nele.” E, só para que todo mundo saiba, ela realmente possui a história depois disso. Ela fez da história completamente dela.

NS: Eu peguei carona no roteiro sendo originalmente diferente… Eu acho que gravei para o papel… Talvez três anos atrás? Antes de saber que a Elizabeth estava no projeto.

KS: Nossas personagens não estavam no roteiro nesse ponto. Por sorte, eu realmente confiei na Elizabeth – sou uma grande fã. Mas acontece que eu e Liz somos tão diferentes. Fico em choque que ela gosta de mim ou se relaciona comigo de qualquer jeito. Porque somos o oposto uma da outra.

ELLA BALINSKA: Eu definitivamente sempre soube que vocês duas estavam no projeto. Tipo, vocês foram anunciadas e eu recebi um email, por meio da minha equipe, sobre o projeto, mas não tinha o nome verdadeiro…

NS: Sim! O que era?

EB: Silver Cloud?

KS: Por muito tempo, eu achei que algo chamado Silver Cloud estaria envolvido no filme, e fiquei tipo, estou perdendo algum detalhe?

EB: Desculpa Kristen, eu sei que você vai me odiar por isso, mas pergunta rápida… Eles tinham um código quando vocês estavam filmando Crepúsculo?

KS: Oh, eu não sei…

NS: Você não lembra?

KS: Para ser honesta, quando estávamos filmando Crepúsculo, eles chamavam só de Crepúsculo.

NS: [Risos] Porque eles não faziam ideia do que ia sair disso…

KS: Sim… Então, vocês duas passaram por Silver Cloud. O que aconteceu depois?

EB: Sim, eu descobri que tive a chance de fazer um teste para Silver Clouds, e no final do email estava escrito, ”Oh, por falar nisso… É As Panteras.” Tipo, vamos parar de palhaçada [risos]. Então eu mandei meu vídeo.

KS: Que eu vi.

EB: Você viu?

KS: Ah, sim.

EB: Meu Deus…

NS: Eu consigo imaginá-la assistindo, tipo, ”Ela é muito fofa!”

KS: Na verdade, eu fiquei muito impressionada com o seu vídeo porque essas coisas são tão difíceis de fazer. Essas cenas são sempre uma droga. Mas eu fiquei tipo, ”Uau, ela realmente está confiante.”

EB: Obrigada. Você me viu em um lugar muito vulnerável. Enfim, então eu voei para encontrar a Elizabeth, muito desobedientemente porque eu estava filmando outra coisa na época.

NS: Tem que fazer o que pode, garota.

EB: Eu faria novamente. Elizabeth e eu tivemos uma ótima reunião.

KS: Você não pode contratar alguém que você não gosta, mesmo que seja um ator brilhante. Se você não gosta a pessoa, você está se colocando em quatro meses de vibes negativas. Ok, próxima pergunta…

EB: De todos os papéis que você interpretou, algum se destaca como seu favorito?

KS: Absolutamente não, é muito difícil. É como escolher seu bichinho de pelúcia favorito.

NS: Minha garota… Ela fica tipo, ”Dos 20 papéis…”

KS: É mais tipo 50. [Todas riem] Se eu não estivesse no meio das minhas melhores amigas-irmãs, eu nunca teria sido uma babaca como acabei de ser.

NS: E vamos ser honestas, eu tenho três papéis para escolher! Não tenho papéis sérios o suficiente para responder essa pergunta.

KS: Mas qual o seu favorito?

NS: Bom, meu favorito seria 100% a Princesa Jasmine.

KS: Aw! Faz sentido. Você está interpretando uma personagem da Disney… E você é uma cantora inacreditável. Para mim, sendo honesta, em termos de ter um afeto por uma personagem – que não é baseada em uma pessoa real – eu verdadeiramente amo muito a Sabina, minha personagem em As Panteras.

NS: Eu amo a sua personagem, também.

KS: Ela é a pessoa mais legal do mundo.

NS: Ela é uma versão sua, Kri.

KS: Sim, com certeza.

EB: A Sabina é tão espontânea, e isso tornou ficar com você no set muito divertido, de modo geral. Era você, quando você está naquele humor de ficar tipo, ”Cara…”

KS: Bem, ela tem um lado muito pragmático e estóico, que você vê antes das Panteras se tornarem uma família. De primeira, nós não nos damos muito bem, até tudo ficar mais claro e percebermos que precisamos desesperadamente uma da outra. Sabina se coloca no mundo, com o risco de ficar seriamente ferida.

NS: Ela é uma dessas amigas que nunca é falsa – não existe um osso ruim em seu corpo, mas se você a machucar, ela sangra no mesmo instante. É o que eu amei na sua personagem de primeira, e depois quando assisti ao filme, senti muito por você e por seus pais…

KS: Porque ela era muito isolada quando criança…

NS: Sim, exatamente. Foi linda a descoberta dessa vulnerabilidade.

KS: Você pensa que ela é difícil, mas na verdade ela não sabe como se conectar.

EB: Eu sinto que muitas pessoas podem se relacionar com isso verdadeiramente.

KS: Talvez não mais, mas eu podia me relacionar com isso imensamente quando era mais nova. Agora eu sei como me esconder e não ficar no centro das atenções. Mas eu sinto que eu tenho essa estaca zero muito sólida e modesta na minha vida – essa base sobre a qual danço radicalmente… Eu sei como tratar as pessoas e, sabe, isso leva um longo tempo, às vezes. Tipo, mesmo sabendo como ser aberta com as pessoas na sua vida, ou as tendo o mais perto possível de mim… Isso é muito importante. Eu tenho minha família e todos os meus amigos. Meus cães são um fator muito centralizador na minha vida. Então minha estaca zero é muito sólida, mas eu também gosto me sentir desordenada. Não é sobre criar caos, eu só estou em uma busca constante.

NS: Eu vejo muito da mentalidade da Sabina como independente, tipo, ”Está tudo bem, eu já resolvi – não preciso de ajuda.”

EB: Você [Naomi] se relaciona com isso também?

NS: Sim, 100%. Sabe o que estranho? Você [Kristen] e eu sempre dizemos que somos pessoas muito diferentes uma da outra, tipo, ”Ah, a Naomi é tão responsável…” Mas existe um outro lado de mim, também, que é mais como a Kristen e tão intrínseco…

KS: Você é uma pessoa que questiona muito e está constantemente e profundamente pesquisando.

NS: Que suposições as pessoas tem sobre você que você gostaria de corrigir?

KS: Sabe, essa pergunta vai me fazer ficar imediatamente com raiva. Vocês vão falar, ”As pessoas acham que você é isso,” e eu vou ficar, ”Quem diabos pensa isso?” Mas não, por alguma razão eu realmente amo o quão patológica é essa pergunta… Vamos ser verdadeiras sobre isso. Eu acho que a minha é muito óbvia. Eu vou dizer e vocês me respondem se estou certa: que eu sou, tipo, séria demais. Porque eu posso ser séria demais!

NS: Não, você não é.

KS: Ok, mas vamos colocar todas as nossas suposições na mesa e então vamos derrubá-las, uma por uma.

NS: Bom, uma das minhas coisas favoritas quando alguém me pergunta ”Como é a Kristen?” é responder, ”Deixa eu te dizer o quanto ela é legal…” A parte frustrante é o sentimento que você entende essa pessoa de um jeito que as outras pessoas não entendem.

Para ser honesta, eu não tinha visto muitos outros filmes seus antes de trabalharmos juntas, mas voltei para casa e percebi o quanto você era uma atriz talentosa – o que eu sei que soa estranho, porque não é como se eu não pensasse isso antes. Mas eu não entendia a profundidade do seu talento. Isso me fez ficar, ”Merda, preciso subir um pouco.” Para ficar no seu nível.

EB: Mas você traz isso à tona com seus colegas de trabalho. É empoderador estar em uma cena com você, desse modo.

KS: Eu preciso muito de vocês.

NS: Eu acho que isso também ocorre em parte porque essa personagem era tão você – você foi parte da concepção e é perfeita para você. Foi escrita por você e para você.

EB: Eu não quero revelar muito sobre sua personagem porque eu quero que as pessoas se surpreendam, mas eu lembro de pensar, quando li o roteiro, ”Eu espero que eles mantenham a Sabina desse jeito.” Eu fiquei, por favor não comprometam.

KS: A Liz escreveu desse jeito. Eu tive tanta sorte. Ok, esse foi um desvio de assunto muito lindo e que eu realmente aprecio demais. Mas o que as pessoas pensam sobre vocês que vocês ficam, ”Eu acho que não é verdade?” [Silêncio] Bom, na verdade, eu sinto que você [Ella] já disse algumas vezes que você não acha que é engraçada.

EB: Sim.

KS: Eu já conversei com você sobre isso algumas vezes, como antes do set, em manhãs quando a Nay não estava por perto. Você ficava, ”É, eu sinto que, sabe…”

EB: Que eu sou estranha. Sou muito analítica.

KS: Você acha que é uma nerd e que as pessoas não estão interessadas em nerds, mas na verdade, nerds são as pessoas mais interessantes. Algumas vezes, Nay e eu podemos ser como um trem descarrilhado uma com a outra, sem dizer nada engraçado, mas rindo histericamente de alguma coisa. E então a Ella entra na conversa e diz algo realmente engraçado. Mas depois você começa a se criticar, como se não fosse engraçada. Eu fico, ”Não, você está arrasando!”

NS: A Ella é tão inteligente e existe tanta coisa nela que ainda vai se desenvolver. Tipo, quanto anos você tem? Vinte e…

EB: 23.

NS: E você tem algumas características que… Algumas vezes, quando você é criada no meio de crianças brancas, as pessoas podem fixar em certas coisas sobre você. Tipo, ”Ela é bonita,” ou ”Ela é gamer ou geek.” Mas você é uma mistura de tantas coisas incríveis. Você é negra, britânica, super-ultra inteligente, incrivelmente linda e você é nerd e moleca também… e você nem sabe disso. Sim, é o que é. Você é como uma fantasia e você nem sabe disso ainda. Para mim, provavelmente é que e sou irritante. Algo assim [risos].

EB: Não.

NS: Mas o problema é: Eu sou irritante.

KS: Cala a porra da boca. [Todas riem] Estamos em um semicírculo, de pernas cruzadas em um sofá e estamos expressando nossos sentimentos uma pela outra, honestamente. E é essa a posição que estamos assumindo.

NS: Posso ser realmente honesta? Vou fazer xixi nas calças.

KS: Nós realmente nos tornamos melhores amigas nesse filme. E eu não tolero nada que seja remotamente crítico ou maldoso sobre uma das minhas melhores amigas. Então, a Naomi não é nada irritante. Ela só tem muita energia. Porque alguém colocou 5 centavos nela… ou talvez, uns 75 centavos.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil

Olá!

Depois de dois anos, estamos com um novo layout no site. Diferente da outra versão, apostamos em um visual mais clean para tornar a leitura e visualização de conteúdo mais fácil e confortável para todos. Além do site, nossa galeria também está com um novo layout e vocês podem conferir clicando aqui. Agradecemos imensamente às meninas do Cherry Design que fizeram todo o trabalho do jeito que queríamos! Agradecemos também a todos que nos acompanham por todos esses anos.

Aproveitem o novo visual e comentem com a gente no Twitter!

Kristen foi convidada do programa do Jimmy Fallon nesta quinta feira de Halloween e apareceu fantasiada de jogador de baseball morto! Nos vídeos legendados por nossa equipe, ela explica sua fantasia, fala sobre ser anfitriã do Saturday Night Live pela segunda vez, As Panteras e joga Virtual Reality Pictionary com o ator de Stranger Things, Gaten Matarazzo. Confira:

Em uma edição especial, o elenco de As Panteras brincou de “O Que Você Prefere?” para o Buzzfeed e o site ainda fez um teste especial para os fãs saberem qual Pantera eles são. Clique aqui para fazer o teste e confira o vídeo legendado abaixo:

45678