A estreia de Seberg Contra Todos se aproxima e Kristen concedeu uma nova entrevista para o USA Today falando sobre o filme, Jean Seberg e a química com seu colega de elenco, Anthony Mackie. Confira:

A maioria dos fãs de cinema conheceram Kristen Stewart como a sombria Bella Swan de Crepúsculo em 2008, e provavelmente ainda pensam que aquele foi o primeiro filme dela. Nope. A razão pela qual seu rosto parecia pelo menos um pouco familiar quando ela estava se envolvendo com vampiros e lobisomens era porque Crepúsculo era seu 18º filme.

Muitos de nós a notaram pela primeira vez quando ela interpretou a filha diabética de Jodie Foster em O Quarto do Pânico, de 2002, ou talvez como Tracy Tatro, o possível interesse amoroso de Emile Hirsch em Na Natureza Selvagem, de 2007. Stewart estava apenas em papéis coadjuvantes, mas ela estava em nosso radar.

O sucesso de bilheteria de Crepúsculo realmente deu um tranco em sua carreira, com papéis em Adventureland, The Runaways (como Joan Jett) e uma passagem popular pelo cinema independente com Na Estrada, Acima das Nuvens e Café Society.

Com Seberg Contra Todos, ela toma o papel de Jean Seberg, a icônica atriz nascida em Iowa que se tornou uma estrela da New Wave francesa quando interpretou o papel de Patricia em Acossado de Jean-Luc Goddard, em 1960. Além de aparecer em 30 filmes antes de morrer sob circunstâncias misteriosas aos 40 anos, Seberg também foi uma vítima de uma campanha difamatória do FBI após se envolver com um membro dos Panteras Negras e doar dinheiro para um programa de café da manhã de uma escola comandada pelos Panteras.

Seberg Contra Todos nos mostra um pedaço de sua vida e carreira durante aquela época difícil. Stewart, de 29 anos, que desaparece no papel, falou sobre como abordou interpretar a atriz.

Você sabia muito sobre Jean Seberg antes de fazer o filme?
Eu assisti Acossado. Esse foi meu único encontro com ela antes de ler o roteiro. Então, ao assistir mais de seus filmes, eu descobri que suas primeiras poucas performances são algumas das minhas favoritas. Elas foram feitas em uma época onde, especialmente de um jeito comercial, as coisas eram empacotadas e entregues de um jeito muito diferente. As pessoas interpretavam as coisas no que parecia ser um jeito preparado e habilidoso. Ela era realmente esse tipo de energia e eu sou uma grande fã. Acho que ao entender mais sobre esse pedaço da vida dela, eu fiquei impressionada com a ideia de que essa é como uma nova história. Ela passou por muita coisa, o que esse filme faz seu melhor em mostrar, e no final, aquelas performances são realmente bonitas. Inicialmente eu tinha essa imagem dela como uma gata livre e sem disputas. Não foi mais profundo do que isso de primeira, então foi interessante conhecê-la através da experiência desse filme.

Você achou difícil incorporá-la?
Foi assustador, com certeza. Não foi sobre fazer isso perfeitamente, foi sobre conseguir fazer uma espécie de representação imaginativa de como seria poder devolver o brilho de sua vida que estava disponível para nós nas pesquisas. Mas realmente não havia jeito de conhecê-la dentro daquele período. Você pega uma impressão cumulativa e então tenta protegê-la ferozmente. E o fator de intimidação é parte de tudo isso. Não houve um dia em que eu não fui para o trabalho pensando, “Eu não quero estragar isso hoje.”

Então como você se preparou para o papel?
Eu assisti muitos de seus filmes. Então foi sobre esquecer aqueles detalhes que algumas vezes eram impossíveis de acertar, o que realmente convém à história, porque você quer ver alguém vivendo e não alguém fingindo.

Definitivamente há uma química sempre evasiva entre você e Anthony Mackie na tela. Vocês já se conheciam?
Não, eu não o conhecia antes desse filme. É realmente doloroso ter que criar algo que não existe, como uma coisa fabricada. E também, Anthony era muito bom para esse papel porque ele realmente ama falar, e eu realmente gosto de ouvi-lo falar (risos). Essa parte foi bem real.

Já que você não sabia muito sobre Jean Seberg antes do filme, o que te levou a dizer sim para o papel?
Eu senti que o diretor Benedict Andrews poderia contar a história e que seria seguro – não de um jeito que não seria arriscado, mas de um que teria integridade. É raro confiar em um instinto com tanta segurança, mas senti que estaria trabalhando com as pessoas certas. Ela não estava em uma lista de personagens que eu queria interpretar. Eu não tenho uma lista assim. Eu não sei que eu quero fazer alguma coisa até que esteja na minha cara.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen StewartBrasil

O filme de Benedict Andrews com Kristen Stewart sobre a atriz Jean Seberg ganhou uma data de estreia nos cinemas nacionais apenas três dias antes do Dia Internacional da Mulher, que é comemorado no dia 8 de março. Seberg Contra Todos será distribuído pela Cinecolor Films Brasil e todas as novidades podem ser acompanhadas pelas redes sociais deles (Facebook: @cinecolorfilmsbrasil e Instagram: cinecolorfilmsbrasil). Confira a sinopse, trailer e imagens oficiais abaixo:

Paris, 1968. A atriz Jean Seberg (Kristen Stewart) está no auge de sua popularidade, graças ao sucesso de vários filmes rodados na França. Ao chegar aos Estados Unidos ela logo se envolve com o ativista de direitos civis Hakim Jamal (Anthony Mackie), que conheceu ainda durante o voo. Jean logo se posiciona a favor dos Panteras Negras e passa a ser uma das financiadoras do movimento, ao mesmo tempo em que mantém um caso com Hakim. Tal situação é acompanhada de perto pelo FBI, que mantinha um programa de vigilância para romper e expor os Panteras Negras. Dentre os agentes designados para espioná-la está Jack Solomon (Jack O’Connell, Invencível), que começa a se rebelar quando o FBI inicia um plano de difamação contra a atriz. O filme também traz em seu elenco Zazie Beetz (Deadpool 2), Margaret Qualley (Era Uma Vez em… Hollywood) e Vince Vaughn (Os Estagiários).

SEBERG > IMAGENS OFICIAIS > STILLS

Estrela de Ameaça Profunda, Kristen fala sobre seus heróis de ação e por que ela só quer fazer filmes de ação que assustem ela.

Duas décadas em sua carreira e quase uma década após a filmagem de sua última cena na saga Crepúsculo,Kristen Stewart está tomando o controle.

Com 29 anos, a atriz sabe quem ela é, o que quer realizar e ela está determinada a sair por aí e fazer.

“Essas palavras tem um grande peso” diz Stewart

“Eu definitivamente não quero navegar mais entre ‘talvez’ – Eu tenho que dizer que isso foi algo que deixei de fazer, mas era um hábito.”

“Eu costumava gostar do fato de que a produção de um filme era um estranho tipo de alquimia, você nunca consegue controlar, portanto se havia algo atrativo em um filme, que não parecesse ser uma certeza de sucesso, como outros com um diretor confiável, eu ainda o faria.”

“Agora eu estou aceitando a ideia que, você sabe, como outras cineastas nessa indústria, eu só quero gastar meu tempo – que é precioso – em filmes que eu realmente apoio.”

Seja no filme de pipoca e ação As Panteras ou no seu próximo filme Seberg – sobre a atriz Jean Seberg que foi perseguida pelo FBI na década de 1960, estreando em 30 de janeiro – Stewart diz que ela só quer poder olhar para trás para a “livraria de coisas que fiz na minha vida” e saber que “Eu gastei meu tempo fazendo algo por uma boa razão”

“Minha intuição sempre tem sido algo que eu não tenho medo de seguir, mas agora que estou tentando controlar um pouco mais as coisas é um interessante equilíbrio de seguir os instintos, mas saber como se proteger como um artista e alcançar sucesso.”

Mas só por que ela quer estar engajada com o trabalho dela, não significa que tudo deve ser sério e dramático.

Enquanto a parte do sucesso não deu certo nas bilheterias de As Panteras, Stewart amou o fato que a diretora e roteirista Elizabeth Banks viu sua personalidade boba e a deixou solta.

E seu novo filme de ação Ameaça Profunda foi só emoção “Humanos se metendo em lugares nos quais não pertencem e descobrindo uma ira” diz Stewart

“Eu achei que foi um bom nível de suspense. Eu amo um filme assustador ou terror, eu amo assistir pessoas tentando não morrer”

Por outro lado, ser a pessoa fingindo estar tentando não morrer não é sempre divertido “Eu literalmente olho para trás e fico tipo, por que eu fiz isso” ela admite com uma risada

Onde As Panteras foi impetuoso e colorido, Ameaça Profunda é tenso e claustrofóbico.

O filme inicia no ponto mais fundo do oceano, enquanto uma estação de pesquisa e perfuração vaza e o caos começa. Com as comunicações indisponíveis, Norah (Stewart) e um pequeno grupo de sobreviventes (incluindo a estrela francesa Vincent Cassel e o comediante TJ Miller) tentam atravessar o oceano em direção a outra estação, porém há algo do lado de fora com eles.

Se Ameaça Profunda é um Alien embaixo d’água, Stewart é a Ripley da história, dobrando seus créditos como uma heroína de ação.

Apesar dela estar interessada pela ideia de fazer um projeto menos “em sua própria cabeça” e mais “apenas se lançando para frente”, a filmagem de Ameaça Profunda foi mais um teste de sobrevivência para ela, assim como foi para sua personagem.

“Foi bem libertador fazer As Pantera, mas não foi nada livre fazer esse filme” ela diz.

Para início de conversa, dado seu medo de água, mesmo fazendo uma pequena corrida entre as ondas “sempre parecia um ato ousado”, ela diz.

E isso não era tanto como um gotejamento, mas como uma inundação.

“Era tão claustrofóbico, bastante desconfortável, molhado, frio e horrível. Foi Fodido. Em todos os momentos que parecem ser desconfortáveis no filme, foi.”

E considerando o impacto que Ameaça Profunda pretende ter na audiência, o medo é o principal aspecto.

“Eu nunca quis fazer um filme a não ser que me assustasse, a não ser que houvesse algo na história ou no personagem que me despertasse algum sentimento similar ao medo,” diz Stewart

“Depois seguindo para descobrir como passar por isso ou apenas entender por que existe é usualmente porque eu quero fazer um filme”

Stewart encara tudo que Ameaça Profunda atira nela com uma intensidade de aço.

Apesar de ser muito jovem para ter sido influenciada diretamente pela jornada de Ripley, interpretada por Sigourney Weaver, ela teve seus próprios ícones enquanto crescia “mulheres que fizeram parecer ser possível” ela diz

No topo da lista?

“Angie”Angelina Jolie

“É por que ela é uma atriz incrível” Stewart explica. “Como uma criança pequena eu era tipo, uau a mesma garota de Garota Interrompida – Ela é sensacional nesse filme e é uma potência em Tomb Raider e O Procurado. Eu definitivamente cresci pensando ‘Uau, eu gostaria de fazer isso’.”

Ainda que alguns possam ficar surpresos pela virada repentina de heroína de ação de Stewart, ela não está para ser colocada em uma caixa.

“É tão engraçado quando as pessoas ficam tipo ‘então é isso que você quer fazer agora?'” Stewart diz. “É tipo ‘Não, o que, para sempre?’ O filme já finalizou, eu estou promovendo e terei acabado e o próximo filme será diferente” ela ri.

Realmente, esse mês Stewart começa a filmar Happiest Season, uma comédia romântica sobre uma mulher planejando pedir a namorada em casamento, mas descobrindo que ela ainda não saiu do armário para seus pais conservadores.

“Cada um” Stewart repete, “será diferente”.

Fonte | Tradução: Maria Clara Equipe Kristen Stewart Brasil

Em entrevista para Refinery29, divulgando Ameaça ProfundaKristen fala sobre o roteiro do filme e o que a atraiu, além das dificuldades enfrentadas durante as filmagens.

Esse foi um dos filmes mais estressantes que vi recentemente e isso inclui Jóias Brutas (Uncut Gems).
Jóias Brutas foi bastante, bastante estressante de uma maneira bem diferente, mas sim, é estressante para caramba.

O que te atraiu para esse filme, em especial?
Eu não tinha feito um filme grande há um tempo e eu tinha assistido The Signal, que foi o primeiro filme do diretor. Eu sabia que ele era bem jovem e não tinha muitos recursos para fazer esse filme e eu pensei que ele fez algo incrível com que tinha. Inicialmente o roteiro estava incompleto. Era bem simples. Os personagens precisavam ser pessoas. E eu queria fazer algo natural e físico, que lidasse com pessoas perambulando por coisas, esgotando recursos, estando onde eles não deveriam estar e as repercussões de tudo isso, resultando em um filme de sobrevivência diferente, que se tornou um filme estranho de monstro. Eu estava tipo, ‘Olha, se eu vou fazer um grande filme comercial, isso parece algo que eu esteja interessada.’

Você teve algum controle sobre sua personagem?
Eu aceitei e basicamente fui para New Orleans, e nós trabalhamos com alguns roteiristas por alguns dias. Estava meio imersivo e básico. Assim que nós começamos a vender como algo mais complicado, ficou falso, pois você inicia com essas pessoas que não se conhecem e eles estão apenas tentando não morrer. Se você começa a falar sobre outra coisa qualquer, é tipo, esse é realmente o momento que você vai falar esse merda? Então, nós só existimos e tentamos sobreviver a experiência de fazer o filme e foi isso que acabou sendo.

Eu sempre tive medo que eu estivesse de roupa de banho ou descalço quando um desastre inicia. E é exatamente isso que acontece aqui!
Exatamente! Eu pensei que era uma boa ideia começar o filme não sabendo nada sobre a pessoa e ficar tipo ‘Ai meu Deus poderia ser eu.’ Eu vou estar no chuveiro, escovando os dentes, pelada e fodida.

Sua personagem ou está usando moletom e um sutiã esportivo ou uma roupa subaquática bem pesada. Isso fez você se sentir vulnerável como atriz?
O traje subaquático foi, fisicamente, uma das – e eu não estou dizendo isso para ter algo para falar ou ser dramática sobre a caracterização num filme – coisas mais difíceis que eu fiz. Eu pensei em certo ponto que havia algo seriamente errado comigo e que talvez eu estivesse doente, pois meu corpo não estava funcionando mais. Nós mal sobrevivemos à isso e definitivamente não é algo para se gabar. Foi idiota. O traje era muito pesado. Nós não podíamos realizar nosso trabalho nele. Foi ridículo para caralho. Mas inicialmente, antes de vestirmos o traje, eu achei que era uma boa ideia manter a personagem em moletom. Iria ser roupas íntimas inicialmente, mas eu não queria parecer como uma estranha e pelada no filme. Mas, definitivamente a mantemos descalça e em um moletom com um sutiã esportivo. Absolutamente e completamente despreparada para lidar com o que aconteceu.

Você ficou realmente embaixo d’água?
Sim. Havia um traje subaquático especial que poderia ser usado embaixo d’água, mas era horrível. Eles não eram adequados, pois você não conseguia ouvir coisa alguma. O ar as vezes não funcionava e você teria que dizer ‘Ei pessoal, liberem a pressão ou sei lá o quê’, mas eles diriam ‘O quê?’ e você está tentando fazer sinais com a mão, mas você tem luvas. E estou tipo. leva 15 minutos para sair desse traje agora. Meu corpo vai explodir antes desses 15 minutos acabarem. Eu não sei se você já teve uma experiência claustrofóbica – não há tempo.

Você dirigiu um curta em 2017 chamado Come Swim que também tem bastante imagens da água. O que é sobre a água que você acha atraente?
Eu sou totalmente medrosa da água. E meio que funcionou nesse lindo jeito narrativo na minha vida e definitivamente tem se tornado recorrente com outras histórias que eu quero contar. É uma linha direta. Mas no senso literal eu definitivamente não sou uma nadadora forte e sou muito claustrofóbica. Então minha coisa toda durante esse filme, eu estava tipo ‘Não seja uma fracote’. Em algum ponto você tem que tentar. Você não vai morrer fazendo isso. Mas eu estava chorando. Quando nós não tínhamos que ir nessas roupas submersíveis, que os outros atores não achavam tão angustiante, eu tinha que tomar Xanax e só entrei no traje três vezes e eu não vou fazer isso novamente, nunca, absolutamente nunca mais, enquanto eu viver.

 

Fonte | Tradução: Maria Clara Equipe Kristen Stewart Brasil

Em conversa com a Vogue Itália, Kristen fala sobre a nova coleção primavera verão 2020 da Chanel.

Kristen Stewart, rosto da campanha da coleção primavera verão 2020 da Chanel nas fotos tiradas por Jean-Baptiste Mondino, fala sobre a relação dela com a casa, a nova diretora criativa Virginie Viard e a experiência de estar em um set de campanha publicitária.

A atmosfera das imagens parece ser suspensa como no momento que você pula no ar e você fica sem gravidade,” confessou a atriz que, para fazer as fotos, usou um trampolim elástico na frente das lentes do fotógrafo francês. A campanha realça o conceito da leveza e do intrínseco na coleção imaginada por Virginie Viard na passarela que reproduzia os tetos parisiense, dentro do Grand Palais.

As roupas pareciam poder se mover, dançar, correr e respirar. É refrescante, bem moderno e claramente desenhadas do ponto de vista de uma mulher.” Kristen Stewart continua explicando o significado da liberdade expressada pelas roupas da nova coleção primavera verão 2020 da Chanel. “Parecia para mim que essas roupas foram feitas por alguém que poderia usá-las. Nós realmente precisamos nos sentir leves, nós temos que sentir que podemos correr como mulheres agora. E essas roupas tornam isso possível.”

Nas fotos de Modino, a atriz usa alguns dos looks mais emblemáticos da coleção. O terno de tafetá rosa (o mesmo usado pela Kristen na premiere no último filme dela, Seberg): com a jaqueta clássica sem gola, com uma decoração brilhante de metal e lurex, combinada com a saia plissada que se abre livremente para todos os movimentos. Ou, o blazer: com gola pontuda, mangas largas e pernas totalmente expostas, para evocar a sensação de movimento. Movimento ainda mais enfatizado pelas joias Chanel: colares e pulseiras de metal, strass e pérolas de vidro, juntamente com os inconfundíveis broches de camélia em chiffon de seda.

Virginie é uma pessoa que eu admiro e de certa forma sigo para meu crescimento pessoal,” disse a Kristen Stewart. As duas se conhecem há algum tempo, a atriz trabalhou para a casa pela primeira vez em 2013 e se tornou uma embaixadora desde 2015. “Há uma originalidade e algo único que leva à todos os cômodos que entra e eu sinto que suas roupas fazem o mesmo

Falando das imagens da nova campanha da Chanel, estrelando ela, Stewart comentou “Não parece ser forçado ou executado, elas realmente parecem vivas e sem perder a elegância ou elevação. Faz sentido que tenha sido a inspiração da Virginie, pois parece impulsivo, esporádico, honesto, colorido e vívido.”

Fonte | Tradução: Maria Clara – Equipe Kristen Stewart Brasil

Kristen foi nomeada Atriz da Década pela Associação de Críticos de Hollywood e enviou uma mensagem ao evento, já que não pode estar presente por estar fora de Los Angeles filmando seu próximo projeto, Happiest Season. Confira:

12345