Kristen Stewart foi escalada para interpretar a icônica Princesa Diana no filme Spencer do diretor Pablo Larraín. O drama se passa durante três dias no início dos anos 90, quando Diana decide que seu relacionamento com o Príncipe Charles não está dando mais certo. Saiba mais informações:

Pablo Larraín irá dirigir e Kristen Stewart interpreter a Princesa Diana em Spencer, um drama que está se tornando um dos projetos quentes no mercado virtual de Cannes. O filme roteirizado por Steven Knight cobre um fim de semana decisivo no início dos anos 90, quando Diana decidiu que seu casamento com o Príncipe Charles não estava mais funcionando, e que ela precisava desviar de um caminho que a colocaria em sucessão para um dia ser rainha. O drama acontece em três dias, em um de seus últimos feriados de Natal na Casa de Windsor em Norfolk, Inglaterra. A produção é esperada para o começo de 2021.

O filme será produzido por Larraín, diretor de filmes que incluem Jackie e Neruda, junto com o parceiro Juan de Dios, Jonas Dornbach, Janine Jackowski e Paul Webster. Os trabalhos de Knight incluem Senhores do Crime, Peaky Blinders, Locke e A 100 Passos de um Sonho.

Por crescer no Chile, Larraín não era tão obcecado como muitos no casamento de conto de fadas de Diana e Charles, ou a cobertura sem fim durante o desgaste de sua união de alto nível pelas pressões da fama e da coroa. Mas ele cresceu lendo contos de fadas e vê isso como a antítese desse tropo.

”Todos nós crescemos, pelo menos eu cresci na minha geração, lendo e entendendo o que eram os contos de fadas,” Larraín contou para o Deadline. ”Geralmente, o príncipe chega e encontra a princesa, a convida a ser sua esposa e eventualmente ela se torna rainha. Esse é o conto de fadas. Quando alguém decide não ser rainha e diz ‘Eu prefiro ser eu mesma’, é uma decisão enorme, um conto de fadas virado de cabeça para baixo. Eu sempre fiquei muito surpreso com isso e penso que deve ter sido algo muito difícil de fazer. Esse é o coração do filme.”

”Como e por que você decide fazer isso? É uma ótima história universal que pode alcançar milhões e milhões de pessoas, e é isso que queremos fazer. Queremos fazer um filme que vá longe, que conecte o público do mundo inteiro que está interessado em uma vida tão fascinante.”

Stewart é uma escolha intrigante para interpretar Diana. Ela sabe o gosto de viver em um aquário da fama quando ela estrelou os filmes da Saga Crepúsculo, com a imprensa vigiando todos os seus movimentos em uma idade tão jovem. Ela rejeitou essa persona e se reinventou como uma das atrizes mais interessantes e imprevisíveis trabalhando principalmente em filmes independentes. Agora ela irá interpretar uma das mulheres mais famosas do mundo em seu grande momento de crise existencial.

”Kristen é uma das melhores atrizes atualmente,” disse Larraín. ”Para fazer isso do jeito certo, você precisa de algo muito importante no cinema, que é mistério. Kristen pode ser muitas coisas, e ela pode ser muito misteriosa, muito frágil e muito forte também, o que é o que precisamos. A combinação desses elementos me fez pensar nela. O jeito que ela respondeu ao roteiro e como ela está abordando a personagem, é algo muito bonito de ver. Eu acho que ela vai fazer algo deslumbrante e intrigante ao mesmo tempo. Ela é uma força da natureza.”

”Eu vi filmes da Kristen que são tão diversos, o que é incrível, e mostram camadas diferentes e sua diversidade e força como atriz,” ele disse. ”Estamos muito felizes em tê-la, ela é muito dedicada. Como cineasta, quando você tem alguém que pode carregar um peso tão grande, em questões dramáticas e de narrativa, só com os olhos, então você tem uma atriz principal forte que pode entregar o que você precisa.”

O filme não lidará com a morte trágica de Diana após sair do palácio, mas vai examinar o desgaste de seu relacionamento com o marido e seu amor feroz por seus filhos, Príncipe William e Príncipe Harry. O último casou com a atriz Meghan Markle e tomou uma decisão parecida com a da mãe quando ele era apenas uma criança.

”Eu sempre fiquei intrigado e fascinado com a Família Real e como as coisas acontecem naquela cultura, o que não temos de onde eu vim,” Larraín diz. ”Diana é um ícone tão poderoso, onde milhões e milhões de pessoas, não só mulheres, mas muitas pessoas ao redor do mundo sentiram empatia por ela em sua vida. Nós decidimos fazer uma história sobre identidade e sobre como uma mulher decide, de alguma forma, não ser rainha. Ela é uma mulher que, na jornada do filme, decide e percebe que ela quer ser a mulher que ela era antes de conhecer Charles.”

”É sobre encontrar ela mesma, sobre entender que possivelmente a coisa mais importante para ela era estar bem, e estar consigo mesma sozinha,” Larraín explicou. ”Por isso o filme se chama Spencer, que é o nome de família que ela tinha antes de conhecer Charles. É bem contido, se passa em alguns dias em Sandringham. Eles passaram o Natal lá por tantos antes e é onde ambientamos o filme, no começo dos anos 90, por volta de 1992, não somos específicos. É na véspera de Natal, Natal e um dia depois, três dias, muito contido. Nós entendemos o que ela quer e o que ela vai fazer.”

”É um roteiro energético e lindo escrito por Steven Knight, o qual o trabalho eu tenho admirado por anos. É incrível e captura o que eu sempre pensei, que é essa enorme quantidade de beleza no poder de Diana. Quando o mundo era seu palco e o que ela tinha para dizer em sua própria história e o quão forte ela poderia ser quando ela precisava se transformar em algo diferente para encontrar seu próprio caminho. É uma história romântica de uma mulher passando por tempos difíceis e que encontra a luz e a solução.”

”Ela morreu anos depois da nossa história, então não lidamos com isso,” Larraín disse. ”São somente três dias de sua vida e nesse pequeno espaço de tempo, você consegue ter uma perspectiva maior de quem ela era. Nós todos sabemos seu destino, o que aconteceu com ela, e não precisamos ir até lá. Vamos ficar nesse espaço mais íntimo onde ela podia expressar onde ela queria ir e quem ela queria ser.”

”A chave é como ela descobre durante o processo do filme que o que ela realmente precisa fazer é ser quem ela quer ser,” ele disse. ”E com isso, não significa que ela precisa estar perto de alguém, fazer parte de algo, além dela e de seus filhos. Diana era muitas coisas, mas maior do que tudo, ela era uma ótima mãe. Essa é a história de uma mulher que entende que a coisa mais importante para uma mulher em sua vida são seus filhos.”

”Nós acreditamos que esse é um filme que poderia criar interesse ao redor do planeta,” disse Larraín. ”Essa é uma mulher amada e icônica e nós temos tudo em nossa frente para fazer um lindo filme e estamos trabalhando muito para isso.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil