Durante o dia de imprensa de JT LeRoy no TIFF, as atrizes Kristen Stewart e Laura Dern conversaram com o IndieWire sobre os desafios de um filme com orçamento baixo e mais. Confira:

A noite de encerramento em Toronto trouxe o filho de 2 milhões de dólares de Justin Kelly, Jeremiah Terminator LeRoy, que atraiu duas atrizes lucrativas com sua história distorcida, porém verdadeira, de identidade errônea do autor/personagem. Dern foi para Toronto do set de Little Women, e Stewart do set de Charlie’s Angels para ajudar Kelly a vender o filme em Toronto. Os cineastas queriam exibir Jeremiah Terminator LeRoy para os fãs amigáveis no TIFF na esperança de conseguir algumas reações otimistas. (Metascore:63)

“Isso é o mais independente que pode chegar,” disse Dern no telefone durante o dia de imprensa no TIFF. “Se um distribuidor der ao Justin o tempo e amor que ele precisa para moldá-lo, é questão de conseguir colocar elegância em uma coisa que fizemos com pouco dinheiro.”

Claramente, as duas atrizes enrolaram as mangas no set. Quando os figurantes não chegavam com roupas do final dos anos 90, Dern e Stewart jogavam blusas para eles “para que parecesse um ambiente rico e real para se viver e respirar,” disse Stewart. “Estávamos realmente correndo e atirando.” Para a cena da festa, elas deram uma “festa em casa” e pediram pizza, enquanto o diretor de fotografia pegava a câmera.

As duas mulheres também se conectaram por trabalharem desde crianças na indústria em Los Angeles. “Nós duas crescemos tendo sets de filmes como nossa segunda casa,” disse Dern. “Eu tenho que dizer, eu nunca poderia ter uma parceira mais perfeita que sabe fazer filmes de 2 milhões. Nós vimos de tudo.”

Ao contrário do documentário de Jeff Feuerzeig, Author: The JT LeRoy Story, a autora Laura Albert (Laura Dern), que criou o personagem fictício JT LeRoy, não é o foco central, e sim sua cunhada Savannah Knoop (Kristen Stewart), que também produziu e co-escreveu o roteiro.

Durante seis anos, Knoop teve o papel público do autor tímido, com voz suave e andrógino LeRoy, enquanto Albert sussurrava nos ouvidos de seus fãs celebridades no telefone. Em uma viagem, quando Knoop deixou seu namorado de Bay Area para trás, ela embarcou em um affair lésbico com uma carismática cineasta (Diane Kruger interpreta uma versão de Asia Argento), que transformou seu livro em filme. Foi assim que a identidade de Knoop foi realmente desafiada. Quem estava fazendo amor com quem?

As atrizes apoiaram uma à outra enquanto tentavam ajudar Kelly e Knoop a entregarem um filme plausível, o que foi no mínimo complicado. As duas atrizes estavam constantemente tirando e colocando perucas como diversas personagens: Albert tem seu alter ego de cabelo vermelho como a agente/publicista de JT LeRoy, enquanto a personalidade LeRoy de Knoop continua evoluindo, adotando uma peruca loira e um chapéu preto. “Nós estávamos constantemente mudando,” disse Dern. “Foi tão punk rock quanto qualquer coisa.”

“Você faz o que tem que fazer,” disse Stewart, “quando você está tentando chegar do outro lado da adversidade. Nossas intenções foram alinhadas, com algumas decepções quando as coisas não estavam perfeitas e não estávamos conseguindo o que queríamos. Nós apoiamos uns aos outros de um jeito que nos permitiu dar risadas também. Considerando o orçamento e a restrição do tempo, todos tinham que ficar atentos e não deixar as coisas saírem pelas beiradas.”

A atriz também estava tentando proteger Knoop, “que não era apenas uma criança boba coagida a algo que explodiu em seu rosto,” disse Stewart. “Ela estava com medo de se perder em algo maior que ela. Foi uma experiência performativa estranha que era confusa, estimulante e criava confiança. Mas isso levou muito dela, era cansativo, e no final, ela não conseguia se livrar disso. Não há nada pior do que não ser vista. Eu estou feliz que esse filme existe porque isso foi o que aconteceu.”

“JT foi um jeito para Laura expressar sua própria dor e experiência,” Dern disse, quem se apaixonou pela “quebra” de Albert. “Foi um jeito de um escritor de expressar sua verdade.” Com tanto entusiasmo como as celebridades que pularam no trem JT LeRoy, após a exposição da identidade fabricada, eles atacaram Albert e Knoop por mentirem para eles. “Você se pergunta, ‘Quem usou quem?’” Disse Dern. “Todos estão tão desesperados que eles precisam fazer parte disso?”

Stewart, que é abertamente bissexual, está animada que os roteiristas estão levando mulheres mais amplas para interpretação (ela e Chloe Sevigny interpretam amantes em Lizzie). “Isso está no mundo,” Stewart disse. “Não é exclusivamente minha jornada começar a interpretar personagens com gênero fluido agora. Mais deles estão sendo escritos agora e apresentados para mim, Isso é um triunfo, com certeza. Eu leio as coisas e digo, ‘Onde estão os queer?’ Eu me sinto feliz competindo e contando essas histórias.”

Ela também não se importou de se juntar ao remake suave de Elizabeth Banks de As Panteras. “Eu nunca fiz um filme tão divertido,” Stewart disse. “JT foi legal, mas foi obscuro e pesado, muita bagagem. Esse é muita piada, mulheres apoiando umas as outras, não somente luta e coisas bregas. A única razão para refazer As Panteras era fazer uma versão super atualizada, com nenhuma objetificação.”

Dern também está refazendo o clássico Little Women, dirigido por Greta Gerwig, ela disse, “tentando contar de uma perspectiva feminista, com um grupo delicioso de mulheres.”

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil