Kristen e Nicholas Hoult conversaram com o The Hollywood Reporter sobre como foi o processo de ensaio e filmagem de Equals e também sobre como se conheceram e muito mais. Confiram:

Kristen Stewart e Nicholas Hoult entram no quarto no London Hotel, os dois dizendo “Está muito escuro aqui!” quase ao mesmo tempo. Eles vão em direção a interruptores diferentes na tentativa de clarear o quarto do hotel na tarde do dia 8 de julho.

Infelizmente, eles não conseguiram. O quarto, apesar de ser bom, não é como o ambiente do filme mais recente dos dois, Equals, que se passa em uma sociedade futurística onde emoções não existem, mas a tecnologia tornou a vida muito minimalista e simplificada (o filme foi gravado no Japão e em Singapura).

Ainda assim até no quarto escuro do hotel onde a entrevista acontece, fica claro que a dupla, que interpreta dois jovens que se encontram com uma “doença” que os permite a recuperar as emoções e se apaixonar, desenvolveu uma forte amizade, facilmente rindo um do outro e fazendo referência a piadas internas do set. Faz sentido que eles ficaram tão próximos. Doremus colocou os dois um em processo de ensaio que envolveu exercícios como encarar um ao outro e apenas dizer olá várias vezes, e olhar nos olhos um do outro por um longo período enquanto eles só podem dizer uma verdade ou uma mentira. Eles também passaram tempo compartilhando seus pensamentos um com o outro sobre uma variedade de assuntos como amor e relacionamentos.

E mais, como Stewart e Hoult dizem ao THR, eles foram andar de skate às 4 da manhã, beberam até tarde em um bar e fizeram corrida de kart nos seus dias de folga. Diante da estreia de Equals no dia 15 de julho, as estrelas falaram com o THR sobre suas aventuras, filmar na Ásia e como é se apaixonar.

Me contem sobre a primeira vez que vocês se conheceram.

Hoult: Foi aqui em LA. Era aniversário da Kristen. Eu fui com um amigo e comprei um shot de tequila pra ela como uma forma de dizer ‘Feliz Aniversário’. Isso foi anos antes do filme acontecer. Ela não lembra.

Stewart: [Risos] Eu não lembro de nada disso.

Então você lembrou disso quando vocês se conheceram novamente para o filme?

Stewart: Não, eu descobri hoje, na verdade, enquanto estávamos dando entrevistas [Risos.]

Então quando vocês se encontraram pela primeira vez para o filme?

Hoult: Foi na casa do Drake. Nós sentamos e conversamos sobre o roteiro. Foi a primeira vez que eu fiquei, “Droga, essa garota é tão inteligente. Ela tem ótimas ideias.” Mas eu também estava com muita fome porque eu não tinha comido. Tinha uma tábua de queijo, e eu comi tudo.

Stewart: Foi sutil dar o queijo pra ele, também. Foi tipo quando tudo ficava calmo, o que era raro, ele pegava um pedaço. [Risos]. Drake desenvolveu esse projeto com o Nick em pensamento. E eu fui escalada mais tradicionalmente. Então, eu cheguei pronta para provar que eu deveria ficar com o trabalho.

Hoult: Mas eu não acho que nenhum de nós dois teria feito sem o outro porque Drake precisava de pessoas que combinavam e funcionavam juntas.

Além dos exercícios que Drake fez vocês fazerem, vocês também fizeram tirolesa e andaram de kart como parte da experiência.

Hoult: Oh não, isso foi só por diversão.

Stewart: Foi tudo incluso, na verdade. Foi uma experiência de gosto abrangente. Toda bebida (muitas) que tivemos foi como se estivéssemos melhores no outro dia por causa disso. Drake encorajava tanto qualquer coisa que nós fazíamos que era meio assustador. Ele gostava de fingir que estava com medo quando andávamos de skate, mas ele amava o fato que nós saíamos 4 da manhã para descer um morro ao invés de ir para cama e aprender nossas falas. Só de saber disso, porque tínhamos nos divertido na noite anterior, o dia seguinte no trabalho seria mais legal.

Há algo da cultura em Singapura ou no Japão que vocês queriam que tivesse aqui?

Hoult: Há tanto respeito no Japão em termos de…

Stewart: Um ao outro.

Hoult: Por um ao outro e com os mais velhos, particularmente, também. É um sistema muito diferente.

Stewart: Falando sobre os mais velhos, eles são obcecados com balanceamento. Você pode sentir isso. Literalmente, na comida, é muito balanceado. Há uma harmonia que você não sente tanto em outros lugares. Porque nós estamos nessa posição estranha de ser conhecidos publicamente, as pessoas revelam o pior e o melhor lado delas mais rápido do que nós, então estar lá foi adorável porque todos eram adoráveis. Há uma dinâmica social lá que é mais legal porque é balanceada.

Como você descreveria se apaixonar pela primeira vez?

Stewart: A primeira coisa notável para mim é o quão físico isso é. Já aconteceu comigo algumas vezes, então não é só a primeira vez, o que é estimulante. Nós estávamos tentando descrever esse sentimento nos ensaios. É como se você estivesse sido rasgado no meio e dói do melhor jeito. É como esse poste que cai, mas também flutua e queima, e também é frio. É como todos os sentimentos contraditórios implodindo ao mesmo tempo. Você sabe o que quero dizer?

Hoult: Eu concordo, mas eu também penso antes disso, como uma calmaria. Não é um momento de claridade, mas, você sabe, é como uma… pausa.

Stewart: Sério? Eu sou ao contrário. Deve ser coisa de homem.

Você pensa sobre o que acontece com seus personagens depois que um filme termina?

Stewart: Depende do projeto, mas nesse caso, com certeza. O filme não é somente sobre se apaixonar pela primeira vez e se entender como um ser emocional porque as pessoas sempre passam por isso em estágios diferentes da vida. É como algumas pessoas já se encontram aos cinco anos e outras não acordam até terem cinquenta. É isso em um relacionamento que começa muito quente, forte, real e visceral. Esse amor existe por uma razão. E estar consciente de que isso vai cair algumas vezes e que há uma razão pela qual isso existe em primeiro lugar. E você pode fazer parte dessa sustentação. O fluxo e refluxo de sustentar um amor e se isso vai ou não existir para sempre.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil