A revista francesa Les InRocKuptibles visitou o set de Personal Shopper em Paris e contou algumas coisas dos bastidores e alguns spoilers do filme. Confira:

O clima está ótimo essa manhã no Bois de Boulongne. Ainda que o outono esteja entre nós, o sol brilha e lança um tipo de anel de luz dourado nas árvores de 100 anos que cerca o lago. Dez pessoas estão correndo em direções diferentes e apenas algumas vão mais devagar, intrigados por alguma coisa diferente. Luzes artificiais cercam um pequeno barco ancorado no lago, mais ou menos trinta mulheres e homens percorrem o set com walkie-talkies nas mãos. Sentado quase no chão com um monitor de vídeo em seus joelhos está Olivier Assayas, concentrado no último take de seu novo filme, Personal Shopper. Cabelo curto penteado para trás, uma jaqueta de couro com pele falsa ao redor do pescoço, calça preta apertada, um sweater da Lacoste por cima de uma camisa preta, tênis branco, uma tomboy no último estado da desglamourização – Kristen Stewart pode dificilmente ser vista como alguém que não é da equipe, com quem ela compartilha um relacionamento próximo. A equipe é quase idêntica a que trabalhou em Sils Maria, último filme de Olivier, pelo qual Kristen ganhou um César em fevereiro de 2015. Até seu segurança é o mesmo, um alemão gigante chamado Hannibal, que está observando de canto de olho o enxame de paparazzi que estão se escondendo atrás dos arbustos e seguindo-a sem parar.

A “Personal Shopper” do título é Kristen Stewart, uma jovem americana que está vivendo em Paris para trabalhar na indústria da moda. Ela se torna a nova escrava de uma renomada modelo. Uma jovem pobre, porém, vivendo em um mundo rodeado de dinheiro, onde todos estão em trajes glamourosos. “No começo do filme,” diz Olivier Assayas, “havia uma ideia que ficava martelando em minha cabeça. Estava lá por um tempo. Eu queria contar a história de uma pessoa que odiava seu trabalho. Ela é rodeada pelo mundo mais materialista possível. Então é por isso que ela acha conforto no mundo abstrato e idealista.”

Porém, ao longo do filme, que vai desde o suspense de fantasia para um slasher, a personagem entra mais e mais em um universo exotérico, com fantasmas e fantasias. Naquela manhã, com o pequeno barco servindo de pódio, uma sessão de fotos está acontecendo para uma revista de moda. O fotógrafo, Benoît Peverelli, interpreta a si mesmo, poderia dizer, como ele já fez em Sils Maria (onde ele fotografava Juliette Binoche para um anúncio da Chanel) “e em nota, eu também estava dormindo com a personagem da Kristen,” ele diz, brincando durante as tomadas. Seu personagem está perdendo a paciência porque a modelo ainda não chegou.

O coordenador de produção é interpretada por Calypso Valois, filha de Elli e Jacno, uma banda de eletro-pop que Assayas dirigiu um videoclipe em 1980. “É um pouco estranho ter Calypso como adulta em um dos meus filmes. Sua mãe estava grávida dela quando eu filmei meu curta em Tokyo anos atrás. Nunca foi finalizado.” Luz. Câmera. Ação. Kristen Stewart corre em direção a Calypso Valois, se desculpando abundantemente. Sua chefe não acordou, talvez ela chegue logo. Calypso leva Kristen até o pequeno barco iluminado por luzes falsas por baixo de outras luzes para o filme. O fotógrafo, que, para matar o tempo, está tirando fotos da seu assistente, um hipster de barba e touca, sugere que a personal shopper fique no lugar da modelo enquanto isso. Calypso Vallois a ajuda a entrar no barco segurando seu braço e pronto, a pequena e ansiosa assistente acaba na bolha de luz. Corta.

As pessoas estão correndo, outras trocando de lugar, corpos estressados enquanto a câmera filma tudo. Mesmo nos estágios inciais, você já pode reconhecer a magia de Olivier Assayas. Há tomadas após tomadas. O diretor está feliz com as cores do outono na floresta. E, como sempre, Charles Gillibert, seu produtor que tem estado presente quase todo dia, chega no set. Após meses de problemas que pareciam não ter fim com um projeto de Assayas, um filme de gangster com Robert DeNiro e Pattinson, que foi brutalmente parado após o início das filmagens e após milhões de dólares serem investidos, Gillibert está animado que o diretor se recuperou tão rápido, com o filme que ele escreveu em poucas semanas. Kristen Stewart anda em círculos enquanto se concentra.

O diretor de fotografia, Yorick Le Saux nos diz que entre as cenas, ela assiste curtas sobre animais no Youtube em seu iPhone. “Não são coisas estúpidas que fazem você rir. São imagens documentadas com macacos, gatos, cachorros. Eu acho que ela está tentando entender como eles se movem. É engraçado porque acho que há algo dentro dela que é muito feroz, uma atenção muito forte para tudo o que está acontecendo ao seu redor, um instinto muito feroz.” Ele também descreve a intensidade particular dela, a rapidez de entrega e essa habilidade que ela tem “de adicionar interesse humano e tornar quase comovente uma tomada de uma mulher abrindo a porta, tirando o casaco e olhando para seu celular.”

Nós pensamos nas primeiras cenas de Sils Maria, quando ela está no telefone, arrumando a agenda de Maria no corredor de um trem. E enquanto não fazemos ideia do que está acontecendo, há algo que nos prende.

Ao entardecer, a equipe está em frente a um luxuoso prédio em Paris e estão filmando uma cena onde a atriz corre para fora do prédio, obviamente abalada, e então sobe em sua vespa antes de ir embora. Há quase 30 paparazzis ao redor. Jovens meninas, não chamaria de adolescentes, ex-fãs de Crepúsculo, encontraram o lugar onde estão filmando e estão tentando chegar perto. Alguns dias depois, nós encontramos a equipe no Sèvres. Em uma cafeteria, Kristen está atuando ao lado da jovem Sigrid Bouaziz (Eden, Metamorphosis), Pascal Rambert e Audrey Bonnet. Suas conversas são quietas, profundas e misteriosas. Há uma pergunta sobre uma pintora sueca, Hilma Af Klint, que pintou retratos e paisagens sua vida toda. E alguns anos antes de Malevitch, ela começou a pintar coisas abstratas. Ela inventou o abstrato, mas sem ninguém saber. Ela aparentemente pegou a ideia ao estudar espiritualismo.

A notícia influencia a expressão no rosto de Kristen de um jeito sutil e refletivo. Dependendo da tomada, a atriz tem uma mania que ou ela morde ou toca nervosamente as mãos. Ela olha fixadamente para as coisas ao redor que não podem ser vistas na câmera.

Há algo espiritual e invisível sobre isso. Mas nós não vamos saber nada mais sobre essa perturbada personal shopper até a primavera.

Fonte | Tradução: Equipe Kristen Stewart Brasil